Uma das principais queixas nos consultórios dermatológicos é a caspa. O problema acomete homens e mulheres, causando coceira, descamação e incômodo devido aos pontinhos brancos que acabam marcando as roupas escuras. Para solucionar as dúvidas relacionadas ao tema, o DermaClub convidou a dermatologista Marcia Linhares, do Rio de Janeiro, que contou quais são as causas da dermatite seborreica e como cuidar dessa condição cutânea. Confira!

O que é e por que acontece a caspa?

Segundo a médica, a caspa - também chamada de dermatite seborreica - ocorre por uma alteração na produção de sebo na glândulas sebáceas, que pode ocorrer em áreas como couro cabeludo, face, tronco, sobrancelhas e até nos cílios. “Clinicamente, manifesta-se com lesões vermelhas e descamativas deixando a cútis com aspecto irritado e inflamado”, comentou.

A causa do problema ainda é controversa, mas, de acordo com Dra. Marcia, é consenso que a colonização da pele por fungos, resposta inflamatória desregulada e alteração na qualidade e quantidade do sebo são fatores responsáveis pelo desenvolvimento da doença.

Conheça os tipos de caspa: seca e oleosa

A caspa pode se apresentar de várias formas, mas a dermatologista aponta as duas principais:

- Pityriasis capitis ou caspa seca: descamação fina, difusa, não aderida ao couro cabeludo e com poucos sinais inflamatórios

- Ptyriasis steatoides ou caspa oleosa: quadro clínico extenso, com escamas gordurosas e amareladas bem aderidas aos fios e couro cabeludo. Além disso, a resposta inflamatória é intensa, às vezes causando adenomegalia local (aumento nos gânglios linfáticos).

Dermatologista ensina como cuidar da caspa

Como é uma condição crônica, a dermatite seborreica não tem cura e tende a piorar em climas mais frios, em situações de estresse, já que fatores emocionais são potencializadores. “O sucesso do tratamento terapêutico também depende do entendimento do paciente de que a caspa é condição recorrente. Ou seja, durante toda vida ele passará por períodos de crise e acalmia, não havendo uma cura completa e rápida”, explicou.

De acordo com a médica, em casos de situações severas, medicações orais podem ser necessárias. “Já para a manutenção, investe-se em shampoos e loções capilares de duas a três vezes por semana”, recomendou a médica, enfatizando que o uso contínuo dos produtos é fundamental para evitar mais transtornos.

*Os dermatologistas especialistas são consultados como fontes jornalísticas e não se utilizam deste espaço para a promoção de qualquer produto ou marca. Para saber qual é o tratamento ideal para a sua pele, consulte um dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia.