As roupas formam uma espécie de barreira física contra os raios solares, no entanto, isso não é motivo para não usar o filtro solar tanto nas áreas escondidas pelas peças quanto nas expostas. Para entender a importância da proteção, o DermaClub conversou com a dermatologista Vanessa Metz, do Rio de Janeiro, que explicou tudo que devemos levar em consideração na hora de escolher o produto, como a faixa etária, tom e tipo de pele. Confira a entrevista!

Entenda qual é a importância da proteção solar

Segundo a médica, a proteção solar é de suma importância para a pele! “Quanto mais o tempo passa, maior é a radiação que atinge a terra, por isso é extremamente importante se preocupar com essa questão. Hoje em dia, os fotoprotetores não estão apenas focados no fator de proteção solar (FPS) - que defende a pele da radiação ultravioleta B (UVB) -, mas em qualquer tipo de agressão que o sol possa provocar. Por isso é importante proteger-se de todas as radiações que possam ser danosas, não apenas UVB com um FPS alto”, explicou.

Saiba quais os melhores tipos de filtro para cada faixa etária

A dermatologista indicou como escolher o protetor solar para cada faixa etária, de acordo com as características e necessidades dessas peles. Acompanhe:

- Crianças: a proteção pode ser iniciada a partir dos seis meses de idade. Geralmente, no princípio são indicados os filtros físicos - que apenas refletem a luz -, pois a pele da criança é mais sensível e suscetível a absorção. “Além disso, esse tipo de produto infantil é mais aderente, não escorre com facilidade e é mais resistência à água”, pontuou;

- Adultos: para estes pacientes não existem restrições. É importante apenas adequar o dermocosmético ao seu tipo de pele, sempre seguindo a premissa de que quanto maior a proteção, melhor. “Uma boa alternativa para quem pratica atividade física ao ar livre é o uso de produtos mais aderentes, pois estes escorrem menos com o suor”, indicou;

- Idosos: nessa fase, a derme é muito mais ressecada que o normal, além disso, ela precisa de ativos antienvelhecimento. As melhores alternativas são filtros com a textura mais hidratante.

Apesar da proteção natural, a pele negra também precisa de cuidados

De acordo com a dermatologista, a pele negra possui mais melanina e, consequentemente, uma proteção natural, mas isso não descarta a necedssidade do uso do protetor solar. “Não se pode considerar que uma pessoa negra possa se expor ao sol sem proteção nenhuma. No dia a dia a paciente branca, com maior sensibilidade, deve usar FPS de, no mínimo, 30, e na praia, acima de 60. Enquanto que a negra pode, geralmente, utilizar um filtro com FPS 15 diariamente e em maiores exposições acima de 30”, aconselhou, frisando que todos os tons de pele precisam de proteção.

Descubra quais são as texturas mais indicadas para cada tipo de pele

Para a Dra. Vanessa, o que vai pesar na hora de decidir qual é o melhor produto para você é prestar atenção ao veículo que será escolhido. Cada tipo de pele tem uma necessidade específica, confira:

- Peles oleosas: acomete a grande maioria da população brasileira e é interessante que o filtro confira toque seco e sensação de pele limpa, por que as pessoas costumam não gostar do aspecto brilhoso deixado por esses produtos;

- Peles mistas: detêm a grande maioria das opções entre os dermocosméticos;

- Peles ressecadas: o protetor com toque seco pode ressecar ainda mais esse tipo de pele, logo, o mais indicado são veículos com formulações mais hidratantes, como cremes.

“Nós, como dermatologistas, indicamos uma gama de produtos para determinado paciente, mas dentre as opções que existem para a categoria que vamos escolher, os concorrentes variam muito na questão da textura. A decisão é conforme a preferência de quem vai usá-lo”, acrescentou.

Dra. Vanessa Metz explica a importância da proteção em ambientes fechados

A claridade que toma conta de ambientes fechados, vinda de tablets, computadores e celulares contém uma radiação chamada de luz visível, que também afeta a pele. “Além disso, a luz infravermelha também é prejudicial”, esclareceu, afirmando que, nesses casos, o ideal é optar por filtros físicos e com pigmentos, como bases, protetores com cor ou pós translúcidos e compactos.

Associar protetores a produtos com ação antioxidante pode ser interessante. Estudos recentes explicam que a vitamina C é um antioxidante que ajuda a corrigir os danos que sofremos ao longo do dia e aumentar a resistência da pele. 

*Os dermatologistas especialistas são consultados como fontes jornalísticas e não se utilizam deste espaço para a promoção de qualquer produto ou marca. Para saber qual é o tratamento ideal para a sua pele, consulte um dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia.