O retinol ganhou fama desde o início da década de 1990 graças às suas múltiplas funcionalidades, como estimular a produção de colágeno, atenuar linhas de expressão e rugas, clarear manchas e tratar a pele acneica. Para saber a real eficácia do ativo, principalmente no combate às espinhas, o DermaClub entrevistou a dermatologista Flávia Ravelli, de São Paulo. Confira!

Entenda o que é o retinol e quais as suas principais características

Também conhecido como Vitamina A, o retinol é um ativo muito utilizado em diversos dermocosméticos e, quando aplicado sobre a pele, é transformado em ácido retinóico, sua forma ativa dentro das células. Sua principal característica é estimular a renovação da pele, melhorando sua luminosidade, textura, firmeza e suavizando marcas como cravos, poros e até mesmo estrias. “Ele ainda é uma das principais substâncias para amenizar espinhas, pois tem ação queratolítica (ajuda a remover a camada mais superficial da pele, que, muitas vezes, é a responsável por ‘entupir’ os poros), auxilia na penetração de outros produtos e ainda ajuda a reduzir a oleosidade da face”, esclareceu.

Quais são os benefícios do retinol contra as espinhas?

O retinol é um dos ativos coringas na dermatologia e possui diversos benefícios para a pele acneica, como:

- Diminui a formação de comedões e de lesões inflamatórias;
- Promove uma esfoliação, removendo células mortas ao mesmo tempo em que facilita a penetração de outras substâncias;
- Tem efeito clareador;
- Auxilia na produção de fibras de colágeno e elastina, que suavizam as cicatrizes e marcas;
- Ajuda a reduzir o tamanho dos poros e controlar a oleosidade.

Saiba em quais casos o retinol pode ser utilizado para tratar a acne

Gestantes, indivíduos com rosácea, pele sensível ou com muitos vasinhos devem evitar essa substância. Entretanto, a médica afirma que ela é indicada para quaisquer graus de acne. “O retinol ajuda a reduzir os cravos, nas situações mais leves. Já nos casos mais graves, é um suavizador das cicatrizes. Quem fez tratamento com isotretinoína oral, por exemplo, também pode usar o composto para evitar a sua reincidência”, concluiu.

*Os dermatologistas especialistas são consultados como fontes jornalísticas e não se utilizam deste espaço para a promoção de qualquer produto ou marca. Para saber qual é o tratamento ideal para a sua pele, consulte um dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia.