As manchas na pele podem surgir por diversos fatores, como genética, exposição solar, alterações hormonais e até fatores externos, como alimentação, meio ambiente e estresse. Elas aparecem em várias partes do corpo e podem apresentar diferentes tonalidades - desde as mais escuras, passando pelas levemente amarronzadas até as manchas brancas na pele. Mas você sabia que existem vários tipos de manchas e que cada uma possui um conjunto de características bem particulares? O DermaClub conversou com a dermatologista Giselle Sanches, de São Paulo, que explicou como identificar e tratar as marcas mais comuns - melasma, manchas senis, sardas e manchas de acne.

1) Melasma

Como identificar: essas manchas na pele - escuras ou amarronzadas - podem surgir principalmente no rosto. “Afeta frequentemente as mulheres, apesar de não ter uma causa para o seu surgimento. O principal fator desencadeante é a exposição aos raios ultravioletas”, explicou a médica.

Tratamento: a dermatologista indica o tratamento com laser Nd-Yag. “Ele ajuda a controlar a pigmentação amarronzada, evitando a formação de novas manchas, e a produzir colágeno, deixando a pele uniforme”. Além do procedimento, o uso de dermocosméticos clareadores com ácido tranexâmico também tem se mostrado eficaz no combate dessas marcas. A Drª Giselle ainda explica que eliminar o melasma é difícil e leva tempo, e que o processo de controle e despigmentação vai ocorrendo progressivamente de acordo com as sessões feitas e tratamentos associados.

Já conhece o clube de vantagens DermaClub? Com ele, você terá muito mais motivos para cuidar da sua pele. Acesse o link, cadastre-se no programa e aproveite os benefícios!

2) Manchas senis

Como identificar: a melanose solar acomete mais em pessoas de terceira idade. Esse tipo de mancha é causado pelo acúmulo de danos solares que incide sobre a pele ao longo dos anos. “O tempo de exposição ao sol, a falta de proteção da pele e se o tom da pele é mais claro são os principais fatores que contribuem para o aparecimento das manchas”, disse a profissional. Essas manchas podem ser escuras e até esbranquiçadas e, normalmente, surgem nas mãos, braços, rosto e pescoço.

Tratamento: Para o caso de manchas senis, os tratamentos podem ser feitos com produtos clareadores que estimulem a renovação celular da pele: “Indicamos combinações com ácidos retinóico e glicólico junto com algumas substâncias que clareiam a pele, como a Vitamina C”, assegurou. Além disso, o peeling químico também é capaz de neutralizar o escurecimento da pele, assim como a dermoabrasão, criocirurgia, luz intensa pulsada e laser.

3) Sardas

Como identificar: as efélides, mais conhecidas como sardas, são manchas mais alaranjadas e geralmente aparecem na região do nariz e dos ombros. Elas surgem em pessoas sensíveis ao sol, e são causadas pelo aumento da melanina na pele estimulada pela exposição solar.

Tratamento: a Dra. Giselle ressalta que existem uma série de tratamentos para manchas solares. “Dentre eles, podemos indicar os peelings químicos, dermoabrasão e lasers - como a luz intensa pulsada e CO2 fracionado ablativo, que é mais agressivo, e ajudam a estimular a síntese de colágeno promovendo um rejuvenescimento da pele”, disse. O uso de ácidos a noite como o ácido glicólico, ácido kójico e o ácido L ascórbico, ajuda a manter a pele livre dessas manchinhas.

4) Manchas de acne

Como identificar: As espinhas também podem gerar manchas na pele. Elas atingem as áreas do corpo mais ricas em glândulas sebáceas como a face, ombros, colo e costas, além de serem muito comuns em adolescentes e  no início da fase adulta. Normalmente elas ficam marrons ou bem escuras com o passar do tempo.

Tratamento: Para as manchas provocadas por acne, a médica recomenda o laser, os peelings, e o uso de dermocosméticos clareadores. Com esses cuidados é possível minimizar e prevenir as marcas. O ácido tranexâmico é uma excelente opção para tratamento dessas marcas já que inibe o componente inflamatório da pigmentação da pele. Outros ativos recomendados são: ácido dióico e o ácido salicílico.

Devemos sempre lembrar que todo tratamento deve incluir uma rotina que inclua um protetor solar, de preferência com alto FPS, para proteger a pele dos danos causados pela radiação solar incluindo o estímulo para a produção de mais melanina na pele e o uso de antioxidantes, especialmente a Vitamina C, que além de neutralizar os radicais livres, ainda contribui para o clareamento e a luminosidade da pele.

Deu para perceber que o tipo de pele, cor e formato da mancha são características capazes de sugerir o tipo de tratamento que se deve fazer. Mas se alguma marca aparecer no seu corpo ou rosto, consulte um dermatologista imediatamente. Somente o médico pode dizer qual medicamento ou tratamento é o mais indicado para o seu caso!

Dermatologistas:

Drª. Giselle Sanches // CRM: 117116 / RQE 37933

Título de Especialista em Dermatologia pela Associação Médica Brasileira e Sociedade Brasileira de Dermatologia; Título de Especialista em Clínica Médica pela Associação Médica Brasileira e Sociedade Brasileira de Clínica Médica; Graduação em Medicina pela PUC de São Paulo; Pós-graduação em Dermatologia pelo Hospital Heliópolis (SUS); Pós-graduação em Clínica Médica pela Universidade Federal de São Paulo; Membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia

*Os dermatologistas especialistas são consultados como fontes jornalísticas e não se utilizam deste espaço para a promoção de qualquer produto ou marca. Para saber qual é o tratamento ideal para a sua pele, consulte um dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia.