O protetor solar é aquele item que não pode faltar na sua rotina de cuidados com a pele. Além de proteger o corpo contra a radiação solar, esse dermocosmético indispensável evita uma série de problemas que podem acontecer na região, tanto nos dias mais quentes - como queimaduras, manchas - quanto a longo prazo - como câncer da pele e envelhecimento precoce. Por mais que o produto seja uma recomendação antiga dos dermatologistas, muita gente ainda tem dúvidas com relação ao seu uso. Para esclarecer as principais questões, o DermaClub entrevistou a dermatologista, Tatiane Curi, de São Paulo, que revelou os mitos e verdades sobre o filtro solar. Confira!

1) Não precisa passar filtro solar em dias nublados ou chuvosos. Mito ou verdade?

Mito. A radiação ultravioleta, responsável pelo fotoenvelhecimento, surgimento de manchas e câncer da pele também tem grande incidência na atmosfera em dias nublados. De acordo com a médica, “estudos indicam que aproximadamente 80% dos raios UV podem passar através das nuvens. Ou seja, podemos estar expostos a altos níveis de radiação mesmo em dias sem sol”.

Já conhece o clube de vantagens DermaClub? Com ele, você terá muito mais motivos para cuidar da sua pele. Acesse o link, cadastre-se no programa e aproveite os benefícios!

2) Ficar debaixo do guarda-sol, da sombra e usar barreiras físicas como boné e óculos são suficientes para proteger o corpo da radiação solar. Mito ou verdade?

Mito. Barreiras físicas, como guarda sol, bonés, chapéus auxiliam bastante na fotoproteção, porém, não são suficientes sozinhos. “Eles refletem grande parte da radiação ultravioleta, mas devem ser sempre associados a um filtro solar adequado para o tipo de pele de cada pessoa”, afirmou. Já a sombra, do mesmo jeito que nos dias sem sol, pode ter um alto índice de radiação ultravioleta, podendo causar fotodanos e queimaduras, principalmente porque “enganam” na sensação de pele queimada durante a exposição.

3) É necessário aplicar o protetor mais de uma vez ao longo do dia. Mito ou verdade?

Verdade. “O protetor solar, mesmo à prova d'água ou resistente ao suor, pode perder sua eficácia em até 50% quando não são reaplicados depois do banho de piscina, mar ou após a atividade física”, disse a dermatologista. Ou seja, para garantir uma boa proteção, reaplique o produto a cada 2 a 3 horas para manter sua eficácia.

4) Não tem problema aplicar o filtro na pele úmida ou molhada. Mito ou verdade?

Mito. “A água ou o corpo úmido pode diluir o produto e diminuir consideravelmente a sua proteção”. Portanto, antes de aplicar o filtro solar na pele, certifique-se que a região está bem sequinha. Assim, conseguimos ter uma defesa ainda mais eficaz, saudável e sem riscos de queimadura ou manchas.

5) O protetor solar ajuda a prevenir o envelhecimento. Mito ou verdade?

Verdade. Os principais tipos de raios solares são UVA e UVB. O primeiro é responsável pelo envelhecimento da pele, por conseguir atingir a camada mais profunda da derme, destruindo as fibras de colágeno e elastina. “Os filtros solares protegem contra a radiação ultravioleta B - responsável pelo bronzeamento e queimadura da pele - e possuem um índice de proteção, chamado PPD, que protege dos raios ultravioleta A, evitando o envelhecimento precoce, a flacidez e as rugas.”

6) Devo passar o protetor solar em todas as partes expostas, inclusive na orelha, mãos e lábios. Mito ou verdade?

Verdade. Todas as partes expostas do corpo - rosto, orelhas, braços e mãos - devem utilizar filtro solar. “Quem tem cabelos curtos, precisa também aplicar nas orelhas. Calvos ou pessoas com poucos cabelos devem utilizar bonés e filtros solares específicos para áreas pilosas. Além disso os lábios também precisam ser protegidos”, alertou.

Agora que você já descobriu todos os mitos e verdades do protetor solar, não deixe de usar o dermocosmético todos os dias - sejam eles ensolarados ou nublados.

*Os dermatologistas especialistas são consultados como fontes jornalísticas e não se utilizam deste espaço para a promoção de qualquer produto ou marca. Para saber qual é o tratamento ideal para a sua pele, consulte um dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia.