Com a chegada das estações mais frias, também surgem doenças de pele comuns da estação. E, as crianças, por terem o corpo mais sensível, sofrem maiores danos com quadros alérgicos. Pensando nisso, o DermaClub conversou com a dermatologista Juliana Jordão, de Curitiba, para entender os efeitos do inverno para as crianças e a melhor forma de tratar a pele dos pequenos nessa época. Olha só!

Entenda por que a pele das crianças pode ficar danificada durante o inverno

Segundo a médica, a pele da criança é mais frágil e fina, por isso, é mais sensível às mudanças de temperatura, ressecando com facilidade no inverno. “A barreira cutânea, responsável por prevenir a perda de água através da pele e manter sua hidratação, tem seu desenvolvimento progressivo até os primeiros 12 meses. Com isso, por não possuir uma barreira efetiva, a criança desidrata com maior facilidade do que um adulto”, contou.

Saiba quais são os principais danos na pele das crianças durante o inverno

“Como existem crianças que não desenvolvem a barreira cutânea de forma correta, além do ressecamento, elas também podem apresentar alergias de pele com frequência”, explicou. A Dra. Juliana afirma que muitos dos casos de alergia tratam-se de dermatite atópica, que é comum entre crianças e se agrava durante o inverno. Entre os sintomas dessa doença estão lesões avermelhadas com ressecamento e coceira intensos, que podem ou não apresentar infecções nessas regiões.

Descubra quais são os tratamentos recomendados para os problemas de pele em crianças durante o inverno

De acordo com a dermatologista, para o ressecamento, o indicado é o aumento da ingestão de líquidos associada ao uso diário de cremes hidratantes apropriados à pele infantil, especialmente após o banho. Além disso, também é importante evitar banhos quentes e demorados, uso de sabonetes comuns e esponjas, que reduzem ainda mais a barreira de proteção cutânea. “Já para os casos de dermatite atópica, em geral, deve-se tratar os períodos de crise com pomadas à base de corticosteróides, antialérgicos via oral e, em casos mais severos, medicações imunomoduladoras. Assim como cremes e sabonetes hidratantes intensivos de forma contínua”, disse.

*Os dermatologistas especialistas são consultados como fontes jornalísticas e não se utilizam deste espaço para a promoção de qualquer produto ou marca. Para saber qual é o tratamento ideal para a sua pele, consulte um dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia.