As dobrinhas dos bebês são muito fofas, né? Mas, sabia que elas podem favorecer o aparecimento de assaduras? Com a pele mais delicada e que fica em contato frequente com urina, fezes e suor, é comum que o corpo fique sensível e irritado. Em conversa com a dermatologista Juliana Jordão, de Curitiba, o DermaClub procurou entender a melhor forma de evitar esse incômodo na pele das crianças pequenas. Confira!

Por que a pele do bebê é mais sensível e suscetível a assaduras?

Para a Dra. Juliana, a pele dos bebês é mais delicada, além de possuir áreas de dobras salientes - devido ao acúmulo de gordura -, especialmente nas regiões das coxas, abdômen, glúteos e membros superiores; sendo assim, mais suscetíveis ao acúmulo de umidade. “O contato frequente e prolongado com agentes irritativos, como urina, fezes e suor, favorece a sensibilização da pele, comprometendo a barreira cutânea e levando ao surgimento de assaduras”, explicou, enfatizando que, com a perda da barreira, a entrada de fungos e bactérias é favorecida.

Como evitar as assaduras na pele do seu bebê?

De acordo com a dermatologista, a troca de fraldas constante, a higiene adequada, a secagem da região após a higienização e a aplicação de cremes ou pomadas específicas, fazem com que a umidade do local seja reduzida. Dessa forma, a pele do bebê fica melhor protegida contra os agentes irritativos.

Saiba quais são os cuidados necessários para minimizar as assaduras na pele do bebê

Segundo a médica, além da higienização frequente, deve ser utilizado um creme reparador e cicatrizante para prevenir lesões e amenizar o incômodo da assadura já existente. “Um pediatra ou dermatologista deve ser procurado para avaliar a presença de infecção fúngica ou bacteriana. Caso haja, a infecção deve ser devidamente tratada com pomadas antifúngicas ou antibióticas”, contou.

*Os dermatologistas especialistas são consultados como fontes jornalísticas e não se utilizam deste espaço para a promoção de qualquer produto ou marca. Para saber qual é o tratamento ideal para a sua pele, consulte um dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia.