A pele brilhosa nem sempre é oleosa, mas quando o brilho é causado pelo excesso de oleosidade precisamos tratar o problema. A fim de entender qual a diferença entre essas características, o DermaClub conversou com a dermatologista Lilia Guadanhim, de São Paulo, que concedeu dicas de como minimizar o aspecto visual e explicou quais são as opções de tratamento para casos simples ou mais graves.

Entenda quais são as diferenças entre peles oleosas e brilhosas

Embora seja comum confundir, diferenciar o brilho saudável de uma pele que está com excesso de oleosidade é bem simples. A médica explica que uma pele brilhosa, iluminada e com bom viço, transmite uma imagem mais jovem e descansada - como aquele famoso glow que fica depois de fazer a rotina de skincare. Agora, quando o seu rosto está brilhoso devido ao excesso de oleosidade, ele permanece com um aspecto gorduroso e pesado.

Já conhece o clube de vantagens DermaClub? Com ele, você terá muito mais motivos para cuidar da sua pele. Acesse o link, cadastre-se no programa e aproveite os benefícios!

Embora sejam características diferentes, para manter a pele brilhosa e controlar o excesso de oleosidade é importante seguir uma rotina de cuidados bem regradinha.“Deve-se tratar a pele adequadamente e com os produtos certos, o que leva a diminuição da produção de sebo e, consequentemente, do brilho”, afirmou.

Dermatologista dá 4 dicas de como disfarçar o brilho oleoso na pele

A dermatologista explica que além dos cuidados diários existem diversas maneiras de disfarçar a oleosidade na pele, confira o top 4 da Dra. Lilia Guadanhim:

1) Use produtos com efeito matificante, que absorvam o excesso de oleosidade e proporcionem um toque seco evitando o aspecto gorduroso, deixando a pele com um leve glow;

2) Existem produtos com tecnologias que absorvem a oleosidade e até o suor excessivo, com ativação dinâmica - agem de acordo com a necessidade da pele;

3) Finalize a maquiagem com pós soltos ou compactos e use também o translúcido, pois são ótimos para disfarçar o brilho excessivo e pequenas imperfeições.

4) Use um fortalecedor diário para pele oleosa com ativos naturais que reduz a produção de sebo na pele, reduz a aparência dos poros e garante uma ação fortalecedora da função barreira da pele.

Saiba quais são os tratamentos ideais para peles com excesso de brilho e oleosidade

De acordo com a Drª Lilia, para tratar da oleosidade da pele é importante o auxílio profissional para que sejam usados produtos específicos para o problema. No entanto, a rotina de cuidados básicos inclui limpeza, hidratação, proteção solar e tratamento. Saiba mais abaixo:

Limpeza: você pode investir em um sabonete ou gel de limpeza profunda que remove o excesso de oleosidade da pele sem agredir ou afetar a barreira de proteção cutânea. Para garantir esse resultado, prefira um produto com ativos naturais, que seja hipoalergênico, livre de sabão, parabenos e álcool.

Hidratação: dermocosméticos com textura leve, não gordurosa e não comedogênica - não obstrui os poros - ajudam a manter a pele bonita e aumentam a tolerância aos produtos de tratamento;

Fotoproteção: a proteção solar é fundamental nos cuidados de qualquer tipo de pele. Neste caso, invista em um protetor solar antioleosidade, toque seco, com controle da oleosidade e FPS alto para proteger a região dos danos da radiação solar.

Tratamento: cremes que contenham ácido retinóico e seus derivados são o carro-chefe no controle da oleosidade da pele. Outros ativos como ácido azelaico, ácido salicílico e ácido glicólico também são boas apostas. Dependendo do grau de oleosidade do paciente pode-se usar medicações orais ou lançar mão de tratamentos complementares, feitos em consultório - como peelings químicos e lasers.

Agende uma consulta com o seu médico dermatologista e comece o quanto antes os cuidados com a sua pele!

*Os dermatologistas especialistas são consultados como fontes jornalísticas e não se utilizam deste espaço para a promoção de qualquer produto ou marca. Para saber qual é o tratamento ideal para a sua pele, consulte um dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia.