Você já ouviu falar em celulite bacteriana? É uma doença de pele que também pode afetar seu organismo como um todo. De acordo com a dermatologista Giselle Sanches, o problema acontece quando bactérias conseguem entrar nas camadas mais profundas da pele, causando uma grande infecção. “Isso pode acontecer quando há um corte, bolha, ferida e até picada de insetos na pele”, afirmou. Mas será que essa doença tem cura? Quais são os principais sintomas? Existe tratamento? O DermaClub, juntamente com a médica, esclareceu as dúvidas mais frequentes sobre o assunto. Veja só!

Como identificar a celulite bacteriana? Conheça os sintomas da doença de pele!

A dermatologista explica que o local infeccionado fica vermelho e inchado, a pessoa sente muita dor na região, além de febre, uma sensação de calor na pele e manchas. “É muito comum confundir a celulite bacteriana com a erisipela, por isso, é importante atentar-se para a infecção, que é mais profunda e mais frequente em membros inferiores e, em casos mais graves, pode gerar tonturas, fadiga, tremores e até bolhas”. O diagnóstico da celulite bacteriana é clínico, por isso, se apresentar um dos sintomas citados, procure o médico!

Já conhece o clube de vantagens DermaClub? Com ele, você terá muito mais motivos para cuidar da sua pele. Acesse o link, cadastre-se no programa e aproveite os benefícios!

A celulite bacteriana tem cura? Como tratar esse problema?

A Dra. Giselle diz que a doença tem cura sim e que o melhor tratamento é aquele feito de forma precoce: “É recomendado o uso de antibióticos via oral ou injetável, manter-se em repouso para reduzir a dor e o inchaço. Também é importante hidratar o local para evitar mais rachaduras. Ainda podem ser receitados analgésicos e anti-inflamatórios durante o tratamento”, indicou.

Como podemos prevenir a celulite bacteriana?

Embora o tratamento seja eficaz, é sempre melhor prevenir do que remediar. Por isso, a médica recomenda alguns cuidados importantes para evitar a celulite bacteriana: “Se houver um ferimento na pele, lavar com sabonete e água corrente na hora em que ocorrer o machucado ou picada. Em casos de curativo, fazer a troca regularmente, sempre limpando a região. Em caso de picadas, não coçar e cutucar, porque a nossa unha pode contaminar o local”, atentou.

Em pessoas que possuem outras doenças, como dermatite ou micose, a entrada de bactérias é mais fácil. Sendo assim, é fundamental que, nesses casos, o paciente mantenha a pele muito bem hidratada e siga todo o tratamento para o controle de crises.

*Os dermatologistas especialistas são consultados como fontes jornalísticas e não se utilizam deste espaço para a promoção de qualquer produto ou marca. Para saber qual é o tratamento ideal para a sua pele, consulte um dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia.