Os bebês têm uma pele muito diferente dos adultos. Apresentando uma textura mais fina, delicada e sensível, os pequenos são mais suscetíveis às agressões externas - como a exposição solar, poluição, mudanças climáticas, entre outros. Por isso, os cuidados com a região precisam ser ainda maiores, principalmente quanto ao uso de dermocosméticos, que precisam ser específicos para a pele infantil. Para esclarecer esses gestos e manter o corpo e rosto da criança protegidos e saudáveis, convidamos a dermatologista Carolina Marçon, de São Paulo. Veja só!

Conheça os primeiros cuidados com a pele do bebê

Por ser muito sensível e fina, a pele dos bebês possui um risco maior de sofrer danos após a exposição a agentes externos, como o uso de dermocosméticos. Esse cenário ocorre durante a infância, mas pode permanecer até a adolescência, na época da puberdade. De acordo com a dermatologista, “isso acontece devido à baixa produção hormonal que faz com que a pele tenha um manto hidrolipídico mais suscetível à permeabilidade e ao potencial tóxico de substâncias aplicadas sobre ela”, esclareceu.

Por isso, é importante ter muito cuidado e evitar ao máximo o uso de quaisquer produtos na pele das crianças - como perfumes, maquiagem e cremes -, principalmente aqueles que não são de uso infantil, para prevenir reações alérgicas. “Caso o pequeno tenha doenças de pele, como a dermatite atópica, requer tratamento e utilização de hidratantes recomendados pelo dermatologista”, garantiu.

Já conhece o clube de vantagens DermaClub? Com ele, você terá muito mais motivos para cuidar da sua pele. Acesse o link, cadastre-se no programa e aproveite os benefícios!

Atenção com o uso de produtos na pele das crianças

Atualmente, existem muitos produtos que são destinados à pele infantil, porém, é importante que sejam usados apenas com a indicação do dermatologista. A Dra. Carolina mencionou que esses dermocosméticos precisam ser livres de perfume e corante para evitar irritações.

O protetor solar é o melhor amigo do seu filho

Por ter uma quantidade menor de melanina, a pele da criança também é bastante fotossensível e, consequentemente, possui mais chances de desenvolver queimaduras solares. “Essas queimaduras que ocorrem na infância são fatores muito significativos para o aparecimento de câncer da pele na idade adulta”, alertou a médica. Por isso, é importante fazer o uso do protetor solar com FPS 30, no mínimo, a partir dos 6 meses de vida. Antes dessa idade, proteja o seu filho da radiação com barreiras físicas - chapéus, guarda-sol e roupas com proteção UV.

*Os dermatologistas especialistas são consultados como fontes jornalísticas e não se utilizam deste espaço para a promoção de qualquer produto ou marca. Para saber qual é o tratamento ideal para a sua pele, consulte um dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia.