Fazer depilação com lâmina ou cera frequentemente pode se tornar algo cansativo. Além do folículo crescer em poucos dias, essas técnicas, quando não são feitas da forma adequada, podem causar uma série de problemas à pele, como a própria foliculite. Para evitar dores de cabeça e dar um fim definitivo aos pelos o ideal é apostar na depilação a laser. Mas será que vale a pena o investimento? Para entender melhor, conversamos com a dermatologista Tatiane Matos, que revelou os prós e contras do procedimento. Dá só uma olhada!

A depilação a laser pode causar queimaduras?

De acordo com a médica, a depilação a laser consiste na remoção gradual e progressiva dos pelos de uma certa região do corpo através da energia de luz intensa pulsada ou do laser. “Como o procedimento se baseia na emissão de uma fonte de energia sobre um alvo, que nesse caso é o pigmento do pelo (melanina), pode ocorrer um dano térmico ao redor do bulbo e da haste do pelo”, disse.

Já conhece o clube de vantagens DermaClub? Com ele, você terá muito mais motivos para cuidar da sua pele. Acesse o link, cadastre-se no programa e aproveite os benefícios!

Entretanto, a especialista conta que isso pode acontecer por algumas razões. Entre elas, se a energia do aparelho for muito alta, se forem aplicados múltiplos feixes sobre a mesma região (gerando dano térmico excessivo), ou se a pele do paciente estiver bronzeada - quando a cor da pele “compete” com o alvo do laser.

O procedimento pode causar manchas?

Em alguns casos, é possível que a depilação a laser cause manchas devido às queimaduras. “Elas podem evoluir com marcas escuras e até brancas (hipocromias), por isso o ideal é que o profissional seja experiente e conheça bem o aparelho que vai trabalhar”. Caso você fique com essas manchas, o ideal é procurar um dermatologista para fazer o tratamento com cremes clareadores.

A depilação a laser pode ser feita na pele negra?

Claro! A Drª Tatiane diz que, atualmente, existem aparelhos mais seguros e que podem ser realizados em peles morenas e negras sem causar queimaduras. “O ideal é que o paciente procure sempre um local seguro, com um médico especialista que possa orientar sobre cuidados pré e pós depilação e que, caso aconteça algum efeito adverso, tenha conhecimento para agir precocemente e minimizar essas complicações”, atentou.

A depilação a laser dói?

Sim, mas é uma dor bem suportável para a maioria! Além disso existem algumas maneiras de amenizar o sofrimento durante a técnica, como o uso de anestésico tópico, gelo ou até a utilização de um aparelho que emite um ar refrescante na hora da depilação ajudam a disfarçar a dor do laser.

A depilação a laser é um procedimento definitivo ou o pelo volta a crescer?

Segundo a especialista, a denominação “depilação definitiva” não pode ser levada muito ao pé da letra. “Para o procedimento se tornar permanente, isso vai depender de inúmeros fatores, como o tipo de pele, fototipo, energia utilizada, tecnologia, frequência de aplicações e intervalos e também se a paciente possui alguma alteração hormonal. Com tudo isso, o ideal seria dizer que é uma depilação a longo prazo e que algumas vezes é necessário fazer uma manutenção”, esclareceu.

Ela ainda ressaltou que nas primeiras sessões o pelo volta, sim, a crescer, mas com um intervalo maior que o habitual e, ao longo do tratamento, esses folículos vão ficando rarefeitos, podendo manter a durabilidade por um longo período.

*Os dermatologistas especialistas são consultados como fontes jornalísticas e não se utilizam deste espaço para a promoção de qualquer produto ou marca. Para saber qual é o tratamento ideal para a sua pele, consulte um dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia.