A pele dos bebês é bem delicada e fininha. Seu microbioma - o conjunto de bactérias e microorganismos que protege o corpo de outros ruins - ainda não é populosa o suficiente, por isso, a região corre um risco maior de ser afetada por vários problemas alérgicos e inflamatórios, como a dermatite atópica. Para entender melhor as causas dessa doença de pele, por que ela acaba sendo mais comum nas crianças e como tratá-la, o DermaClub entrevistou a dermatologista Flávia Addor. Veja só o que ela contou pra gente!

Entenda o que é a dermatite atópica

Você sabia que a dermatite atópica atinge cerca de 50 milhões de pessoas no mundo? Os dados são assustadores, mas ela é uma doença de pele comum, e seus pacientes conseguem viver com ela e controlá-la tranquilamente. Para entender melhor com o que estamos lidando, entenda o que é a dermatite atópica: é uma inflamação na pele, que tem influências genéticas e imunológicas associadas à tendência de manifestações alérgicas. O problema pode surgir na infância e durar até a fase adulta.

Já conhece o clube de vantagens DermaClub? Com ele, você terá muito mais motivos para cuidar da sua pele. Acesse o link, cadastre-se no programa e aproveite os benefícios!

Por que a dermatite atópica é mais comum em crianças?

De acordo com a Drª Flávia, “a dermatite atópica está relacionada a uma predisposição genética, com alteração da resposta inflamatória (alérgica) da barreira cutânea (alterações de proteínas e lipídeos) e do microbioma. Ela se manifesta nos primeiros meses de vida, sendo mais comum até os 5 anos de idade, e pode vir acompanhada de outras doenças alérgicas, como asma e rinite”. Em crianças, a doença se torna mais comum devido ao sistema imunológico dos pequenos, que ainda está em desenvolvimento, principalmente aqueles que possuem histórico do problema na família.

Seu bebê tem dermatite atópica? Fique de olho nos sintomas:

- Coceira;
- Crostas em regiões de dobras, como cotovelos, pescoço e atrás do joelho;
- Ressecamento;
- Placas inflamadas que podem exibir descamação;
- Pequenas bolhas;
- Infecções.

Como cuidar da pele da criança com dermatite atópica

Ao notar o surgimento de lesões com essas características na pele da criança é fundamental levá-la à uma consulta com um dermatologista, para que ele possa avaliar o quadro e indicar o tratamento necessário. “A escolha das medicações tópicas e orais deve ser feita por esse profissional, que é o especialista indicado para acompanhar o quadro. A prescrição dependerá da gravidade do quadro, além da coexistência de infecções”, esclareceu a médica. Mas uma coisa é certa, é importante manter uma boa rotina de cuidados com a pele do bebê:

- Usar hidratantes que reestabeleçam a barreira cutânea;
- Praticar uma higienização suave que não agrida a pele que já está previamente irritada;
- Dar banhos mornos e rápidos também é recomendado;
- Borrifar água termal à vontade para aliviar a coceira e outros incômodos.

É possível prevenir a dermatite atópica em crianças?

A dermatologista explica: “Até o presente momento, alguns estudos comprovam que o uso de probióticos orais na gravidez de mães que têm essa doença ou possuem filhos já atópicos, além do uso de hidratantes logo no início da vida do bebê, podem inibir a progressão das manifestações da dermatite atópica”, finalizou

*Os dermatologistas especialistas são consultados como fontes jornalísticas e não se utilizam deste espaço para a promoção de qualquer produto ou marca. Para saber qual é o tratamento ideal para a sua pele, consulte um dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia.