Doença de pele inflamatória, também conhecida como eczema, a dermatite atópica atinge cerca de 50 milhões de pessoas pelo mundo. No entanto, as ocorrências são mais comuns entre as crianças, podendo durar até a fase adulta. Quando descoberta no início, pode ser tratada, diminuindo a frequência e intensidade das crises, que são caracterizadas por sintomas como ressecamento, lesões avermelhadas e coceira intensa.

Entenda o que é a dermatite atópica

Segundo a dermatologista Tatiana Di Perrelli, de São Paulo, a dermatite atópica é uma inflamação na pele, que tem influências genéticas e imunológicas associadas à tendência de manifestações alérgicas. “Geralmente, são caracterizadas por coceira e crostas em regiões de dobras, como cotovelos, pescoço e atrás do joelho. O problema pode surgir na infância e durar até a fase adulta”, explicou.

Saiba por que a dermatite atópica é mais comum em crianças

De acordo com a médica, como o sistema imunológico das crianças ainda está em desenvolvimento, a dermatite atópica costuma ocorrer mais nessa fase da vida, principalmente, em quem possui outros quadros alérgicos, como asma e rinite, além de quem têm um histórico do problema na família.. “O quadro infantil é, normalmente, mais grave. No entanto, não sabe-se a causa, mas são relacionados a agentes imunológicos e superpopulação de algumas espécies de bactérias no organismo”, contou.

Veja como cuidar da pele infantil com dermatite atópica

A Dra. Tatiana afirma que ao notar o surgimento de lesões com essas características na pele da criança é fundamental levá-la à uma consulta com um dermatologista, para que ele possa avaliar o quadro e indicar o tratamento necessário. Entre os principais cuidados recomendados para peles atópicas está a hidratação intensiva com produtos específicos, a fim de reforçar a integridade da barreira cutânea e reequilibrar o microbioma da pele, visando, ao final, aliviar o incômodo, acalmando a pele. Esse efeito calmante pode ser intensificado com o uso também da água termal. Além disso, é necessário evitar banhos quentes e prolongados, já que a temperatura alta interfere na proteção da pele, além de usar sabonetes adequados a pele seca e sensível.

*Os dermatologistas especialistas são consultados como fontes jornalísticas e não se utilizam deste espaço para a promoção de qualquer produto ou marca. Para saber qual é o tratamento ideal para a sua pele, consulte um dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia.