A esfoliação é um importante processo na renovação celular da pele. Ela confere brilho e viço ao rosto, deixando-o com aspecto jovem e saudável. Para realização do procedimento existem duas opções: a esfoliação química e a física. Para diferenciar essas alternativas e explicar as melhores indicações em cada tipo de pele, o DermaClub conversou com a dematologista Tatiana Matos, da cidade de Salvador, capital do estado da Bahia. Confira a entrevista!

Entenda a diferença entre a esfoliação química e a física

Segundo a médica, a esfoliação é a remoção de células mortas presentes superficialmente na pele, promovendo melhora na textura e no viço, além da renovação celular e diminuição de cravos - por desobstrução dos poros - e de áreas ressecadas. “A esfoliação química ocorre através de cremes compostos, principalmente, de ácidos. Esses produtos fazem com que as células mortas se desprendam, deixando a pele nova em evidência, que apresenta mais brilho e melhor textura. Enquanto que a física, é feita de forma mecânica, retirando as células a partir do atrito”, explicou, detalhando que são usadas substâncias contendo pequenos grânulos e aparelhos como peelings de cristal e diamante.

Descubra as indicações e os cuidados para realizar a esfoliação química

De acordo com a especialista, a esfoliação química deve ser indicada por um dermatologista e pode ser feita em qualquer época do ano. “Tudo vai depender da intensidade do ácido prescrito, da sensibilidade da pele - já que os produtos podem causar irritação - e, principalmente, se o paciente vai se expor ao sol ou não”, disse, diferenciando a reação comum de cada tipo de pele com tratamento:

- Peles oleosas são mais resistentes à agressões externas e se recuperam mais rapidamente, por isso podem ser esfoliadas diariamente com ácidos mais leves ou com peelings a cada 15 dias, por exemplo;

- As esfoliações em peles secas devem ser mais cautelosas. É preciso mantê-la hidratada e além do cuidado redobrado, pode ser realizada a esfoliação mensal mais intensa.

Para realizar a esfoliação química é preciso que a pele esteja bem hidratada, após o procedimento é preciso utilizar produtos que ajudem a recuperar a pele e não esquecer da proteção solar.

Saiba quais são as indicações da dermatologista para a esfoliação física

Para a dermatologista, o segredo da esfoliação física é apostar nos produtos certos, indicados por um profissional qualificado. “O procedimento com grânulos, que pode ser realizado em domicílio, deve ser realizado uma vez por semana em peles secas e até duas vezes em oleosas”, indicou, afirmando que os peelings de cristal e diamante podem ser feitos conforme a necessidade da pele. “É importante que a pele esteja hidratada e sem irritações antes do tratamento e que continue recebendo hidratação e proteção solar”, disse.

*Os dermatologistas especialistas são consultados como fontes jornalísticas e não se utilizam deste espaço para a promoção de qualquer produto ou marca. Para saber qual é o tratamento ideal para a sua pele, consulte um dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia.