Sabe-se que o estresse é um dos maiores causadores de doenças, incluindo depressão, complicações cardiovasculares, obesidade, câncer, entre outras. Sendo assim, já era de se esperar que o maior orgão do corpo também pudesse ser atingido. Por mais que seja uma surpresa para muitos, a pele é muito afetada por estas reações fisiológicas, que podem acarretar diversos problemas, como surto de acne, sensibilidade e perda de viço. Descubra abaixo como combater e prevenir!

Da acne à perda de viço: saiba como o estresse age na pele

“O estresse é uma situação em que o hormônio inflamatório pode aumentar, quebrando as fibras de colágeno. Por isso, acontece uma maior fabricação de radicais livres e menor oxigenação da pele. Ou seja, é um estado catabólico, de perda. Inclusive, estudos recentes comprovam que estresse pode agravar os quadros acne”, explicou a dermatologista Juliana Neiva, proprietária da Clínica Dermais, no Rio de Janeiro. A médica listou os principais efeitos visuais do sintoma:

- Espinhas;
- Perda de viço;
- Amarelamento do rosto;
- Remodelamento da gordura, aumentando a circunferência da barriga e do pescoço;
- Queda de cabelo;
- Enfraquecimento das unhas.

Dermatologista ensina como prevenir os efeitos do estresse na pele

De acordo com Dra. Juliana, o uso de dermocosméticos é essencial para a proteção do rosto. “Quando se fala de produtos tópicos, a gente tem sempre que lembrar dos antioxidantes e antiglicantes, que são os nossos soldados de defesa, que ajudam a reduzir o impacto do efeito do estresse, poluição e radiação. As vitaminas C e E, ácido ferúlico, chá verde e resveratrol são alguns dos ativos ideais que devem estar presentes nas fórmulas”, afirmou.

A médica também estimula a ingestão de melhores substâncias. “Sou entusiasta dessa dobradinha: produtos tópicos e complexos orais. Indico o uso de vitaminas com a orientação correta para cada tipo de caso. Além disso, é fundamental avaliar como está o estilo de vida do paciente”, pontuou.

Estresse x sensibilidade: hidratação já!

Segundo a dermatologista, o estresse ainda pode promover sensibilidade, o que não quer dizer que toda pele sensível é causada pelo sintoma. “Independente do motivo, esse tipo de cútis precisa de hidratação, por mais que tenha áreas oleosas. É como um muro delapidado, faltando tijolos. Assim, as partes podem ser recompostas com substâncias hidratantes”, explicou, afirmando que um dos itens imprescindíveis no nécessaire é a água termal.

“Ela pode ser usada em diversas situações, como na remoção da maquiagem e higienização da pele, além de ser ideal para todos os tipos de cútis. Para rostos sensíveis ainda é mais interessante, já que, desde de 1800, o termalismo vem mostrando sua propriedades calmantes e anti-inflamatórias”, recomendou Dra. Juliana.

*Os dermatologistas especialistas são consultados como fontes jornalísticas e não se utilizam deste espaço para a promoção de qualquer produto ou marca. Para saber qual é o tratamento ideal para a sua pele, consulte um dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia.