Espinhas causam um certo incômodo em qualquer lugar do corpo. Porém, quando elas surgem em lugares delicados, como na boca, acabam causando desconfortos maiores, atrapalhando até mesmo na hora de falar ou de comer. Para não sofrer tanto com este cenário, como devemos lidar com as lesões de acne neste local? A fim de esclarecer o assunto, o DermaClub conversou com a dermatologista Lilia Guadanhim, de São Paulo.

Entenda quais são as causas de uma espinha na boca

De acordo com a médica, as espinhas na região da boca acontecem devido a algumas situações. “A primeira pode ser um quadro de acne comum, acompanhado de lesões no resto do rosto e nas costas; acne da mulher adulta, que acontece na região inferior do rosto, tendo como característica uma distribuição na mandíbula e no queixo; ou um quadro de dermatite perioral, no qual o uso crônico de cremes de corticoide podem causar pequenas espinhas na região”, explicou.

Já conhece o clube de vantagens DermaClub? Com ele, você terá muito mais motivos para cuidar da sua pele. Acesse o link, cadastre-se no programa e aproveite os benefícios!

Saiba quais os principais cuidados a ter com a acne na boca

Assim como em qualquer quadro acne, é importante não manipular a lesão. Isso significa, nada de espremer as espinhas! “Se você fizer isso, vai agravar o processo inflamatório ao redor das lesões e assim, aumentar o risco de manchas e cicatrizes”, alertou. Além disso, não se deve usar dermocosméticos ou pomadas com corticoide no rosto sem orientação médica, principalmente se está com espinhas. “O uso inadvertido dessas pomadas no rosto pode causar quadros de dermatite perioral, afinamento da pele e surgimento de vasinhos”, esclareceu.

Conheça os tratamentos e ativos para acabar com a lesão

Segundo a Dra. Lilia, o tratamento vai depender muito do quadro, das características e do grau das lesões. “Para quadros de acne comum, o uso de sabonetes que controlem a oleosidade sem agredir a pele, além de produtos para tratamento, como os contendo LHA e ácido glicólico está indicado”, afirmou. Casos mais graves podem necessitar de terapias sistêmicas, como o uso de antibióticos específicos. Já em situações onde há dermatite perioral, o uso de loções com ação anti-inflamatória também pode ser útil.

*Os dermatologistas especialistas são consultados como fontes jornalísticas e não se utilizam deste espaço para a promoção de qualquer produto ou marca. Para saber qual é o tratamento ideal para a sua pele, consulte um dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia.