Após a gravidez, a mulher passa por uma série de transformações no corpo devido às alterações hormonais que acontecem nesse período. Desta forma, a paciente acaba se deparando com uma avalanche de problemas, como as manchas de melasma, a queda acentuada de cabelo, estrias por conta do ganho de peso e a flacidez. Mas é possível tratar todas essas marcas deixadas pela gestação? O DermaClub conversou com a dermatologista Tatiane Curi, de São Paulo, que explicou porque essas complicações surgem e o melhor tratamento para cada uma delas. Confira!

Queixas mais comuns das mulheres após a gravidez

De acordo com a médica, após a gestação, a maioria das pacientes começa a reclamar de algumas mudanças tanto na pele quanto nos cabelos. Dentre as queixas mais comuns, são: melasma, queda de cabelo, flacidez da pele, celulite, pele sensível, varizes e estrias no corpo (principalmente nos seios, no abdômen, na parte interna das coxas, parte posterior do joelho e até no quadril e nádegas).

“Além disso, também percebemos o aparecimento ou agravamento das olheiras que pode acontecer pela grande perda de peso após a gestação e também pelas noites mal dormidas com a chegada de um bebê recém nascido”, explicou.

Já conhece o clube de vantagens DermaClub? Com ele, você terá muito mais motivos para cuidar da sua pele. Acesse o link, cadastre-se no programa e aproveite os benefícios!

Como podemos tratar cada um desses problemas após a gravidez?

1) Manchas de melasma

As manchas de melasma surgem por uma série de fatores, mas, durante a gravidez a causa dessas marcas é, nada mais, nada menos que a alteração hormonal da época. Segundo a dermatologista, existem duas formas de tratar o problema: com o uso de dermocosméticos e a realização de procedimentos clínicos. “A terapia a partir de produtos com ativos clareadores e despigmentantes são permitidos durante a fase de amamentação e até alguns ácidos são possíveis durante essa época”, disse.

Já os procedimentos estéticos, a médica indica: “Alguns tipos de peelings podem ser usados se indicados por um médico dermatologista. O microagulhamento associado ao drug delivery (técnica feita com o acréscimo de alguns medicamentos), luz intensa pulsada e alguns tipos de lasers são opções viáveis e bastante úteis para tratar o melasma”.

2) Pele sensível

A Dra. Tatiane lembra que existem muitos dermocosméticos - desde géis de limpeza, filtros solares, hidratantes e produtos calmantes - que podem ser indicados para controlar a sensibilidade da pele. “Ativos que aumentam tanto a barreira mecânica quanto a barreira imunológica da pele - como ingredientes probióticos ou que agem como prebióticos - são uma grande novidade e com resultados ótimos e seguros”. Além disso, o uso da água termal é uma opção boa, muito prática, eficaz e segura.

3) Queda de cabelo

A queda de cabelo é um evento esperado, mas que assusta muitas mulheres após a gestação. A médica orienta: “Se a perda não for intensa e não estiver incomodando muito a paciente, pode ser só uma conduta expectante, ou seja, orientar bem a paciente que a queda vai melhorar com normalização dos hormônios”, disse.

No entanto, grande parte das mulheres se incomoda e o tratamento pode ser feito com orientação de um dermatologista: “Desde medicações orais como suplementos vitamínicos, até o uso tópico de produtos - shampoos fortificantes, loções capilares com ativos que auxiliam na repilação dos cabelos. Se for necessário, o profissional indica procedimentos como lasers, luzes emissoras de diodo e o microagulhamento capilar”, garantiu.

4) Estrias

As tão temidas estrias devem ser tratadas o quanto antes. “A terapia vai desde o uso de ácidos, passando pela microdermoabrasão - um tipo de peeling mecânico, sem associação de ativos químicos -, luz intensa pulsada e lasers específicos que são denominados fracionados”. Cada procedimento vai depender de cada paciente e do tipo de estria.

5) Celulite

A celulite é a mais simples de lidar. Esses furinhos podem ser combatidos com algumas mudanças de hábitos e tratamento com o dermatologista. “Essa queixa muito comum pode ser atenuada e controlada com atividades físicas regulares, drenagem linfática para diminuição da retenção de líquidos facilmente acumulados durante a gestação e alguns tipos de tecnologias como radiofrequência, infravermelho, ultrassons”, apontou.

6) Varizes

As varizes podem ser acentuadas durante a gestação pelo ganho importante de peso e diminuição do retorno venoso - que é o aumento de sangue nas pernas - devido ao crescimento abdominal. Mas a Dra. Tatiane afirma que existe solução: “O simples fato de perder peso já auxilia muito na melhora das varizes. Outros cuidados como, fazer atividade física, usar meias elásticas indicadas pelo médico e uma avaliação melhor de um especialista pode indicar se o tratamento conservador vai ser suficiente ou se algum tratamento extra vai ser requerido”, esclareceu.

7) Flacidez

Além de todas essas queixas, a flacidez também é muito apontada pelas mulheres após o parto. “Isso ocorre pelo estiramento demasiado das fibras de colágeno e elastina durante a gestação. Depois, quando a paciente tem o bebê, tende a perder peso, e esse processo faz com que a pele fique frouxa e flácida”, explicou.

Mas para combater a flacidez, é preciso força de vontade e a ajuda de um dermatologista. “Atividades físicas são sempre bem-vindas e ajudam a melhorar o aspecto da pele. A realização de procedimentos com aparelhos como radiofrequência, ultrassom microfocado, infravermelho e até alguns tipos de lasers são muito eficazes, pois estimulam a produção de novas fibras colágenas e melhoram a textura da pele”. Além disso, o uso de produtos tópicos auxilia no cuidado diário da melhora da textura e firmeza da pele.

O ideal é sempre ter um médico te orientando quanto aos medicamentos e tratamentos permitidos!

*Os dermatologistas especialistas são consultados como fontes jornalísticas e não se utilizam deste espaço para a promoção de qualquer produto ou marca. Para saber qual é o tratamento ideal para a sua pele, consulte um dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia.