O surgimento de bolinhas vermelhas pelo corpo e coceira são alguns sintomas da foliculite. Essa infecção bacteriana, muito comum quando acabamos de fazer depilação, pode surgir por outros motivos e provocar muito incômodo dependendo do seu grau. Mas, para se livrar desse problema, existe solução! O DermaClub bateu um papo com a dermatologista Lilia Guadanhim, de São Paulo, que explicou tudo sobre a foliculite, os tipos da doença, como prevenir e tratar o quanto antes dessa condição.

O que é a foliculite?

A profissional explica: “A foliculite é uma inflamação do folículo piloso que pode estar associada a infecção por bactérias ou fungos que habitam na pele do próprio paciente”. Além das pernas, coxas e virilha, esse problema também pode surgir no rosto e no cabelo - principalmente de homens que têm o costume de fazer a barba e corte com máquina.

Já conhece o clube de vantagens DermaClub? Com ele, você terá muito mais motivos para cuidar da sua pele. Acesse o link, cadastre-se no programa e aproveite os benefícios!

Quais são os sinais e características da foliculite?

Muita gente confunde as bolinhas de foliculite com pequenas espinhas, mas a dermatologista desmente e explica onde essas lesões costumam surgir: “Elas acontecem em áreas com pelos, como couro cabeludo, barba, glúteo e virilha. Podem estar associadas a sintomas como coceira e ardência, além de vermelhidão e pele sensível no local”. Sendo assim, é bom você ficar de olho nessas características:

- Bolinhas vermelhas;
- Muitas vezes essas lesões possuem a ponta branca com pus;
- Inchaço;
- Coceira;
- Sensibilidade local;
- Cicatrizes;
- Manchas escuras no local.

Quais sãos os tipos de foliculite? Conheça as diferentes formas do problema

No couro cabeludo:

Foliculite dissecante ou decalvante: é a foliculite que dá em todo o couro cabeludo. A doença acaba causando a queda de cabelo na região, levando o risco da perda definitiva dos fios se não for tratada o quanto antes. Alguns casos podem estar associados à acne grave.

Foliculite queloideana da nuca: como o próprio nome diz, essa foliculite só surge na nuca principalmente de pessoas com a pele morena ou negra. As bolinhas surgem com aspecto semelhante a espinhas e evoluem deixando cicatrizes hipertróficas (altinhas) no local.

No corpo:

Foliculite estafilocócica: é o tipo mais comum. Ocorre quando os folículos pilosos são
infectados por bactérias (do tipo Staphylococcus aureus), causando coceira, vermelhidão, pus em qualquer parte do corpo formada por pelos. Também acontecem mais em pacientes alérgicos e com a pele seca e tendem a piorar com o atrito.

Pseudofoliculite: são a bolinhas que aparecem após a depilação ou o barbear, são os famosos pelos encravados. A Drª Lilia explica: “Os pelos raspados, ao crescerem, se
curvam e voltam para o interior da pele e inflamam, causando a pseudofoliculite”.

Foliculite por pseudomonas: acontece quando a pele entra em contato com as bactérias da água (presentes em banheiras de hidromassagem e piscinas aquecidas). A infecção aparece entre oito horas e cinco dias, formando bolinhas vermelhas que coçam e, mais tarde, bolhas com pus também podem aparecer. Áreas que ficam úmidas por mais tempo são as mais propensas à infecção, como aquelas que foram cobertas pela roupa de banho.

Foliculite pitirospórica: comum em adolescentes e homens adultos, é causada por um fungo, formando pápulas avermelhadas e causando coceira. Pode surgir no dorso, tórax anterior, o pescoço, ombros, braços e no rosto.

Como prevenir cada tipo de foliculite?

Foliculite do couro cabeludo: o ideal é evitar o uso da máquina no local até procurar o tratamento adequado com o dermatologista

Foliculite bacteriana: a principal medida é manter a pele sempre bem hidratada e o microbioma (conjunto de bactérias, fungos e vírus benéficos) em equilíbrio com o uso de sabonetes e hidratantes com ativos prebióticos.

Pseudofoliculite: o jeito é diminuir a frequência da depilação com lâmina ou de fazer a barba. A solução definitiva para o problema é a depilação a laser, sem dúvidas! Caso, você não possa fazer o tratamento permanente, a Drª Lilia recomenda:

- Lave bem a pele antes da depilação para melhorar o deslizamento da lâmina;
- Escolha um bom aparelho de barbear, se possível opte por um multilâminas;
- Use uma espuma de barbear de boa qualidade (no caso de fazer a barba);
- Deslize a lâmina no sentido do crescimento do pelo, e não o oposto para não irritar a pele;
- Hidrate bem a pele no pós-barbear, se possível com hidratantes contendo nicotinamida, substância de ação antiinflamatória;
- Para depilação: se possível faça uma esfoliação suave um ou 2 dias antes;
- Nem pense em usar pinça para manipular os pelos encravados! Isso piora a inflamação e aumenta o risco de manchas e até cicatrizes.

Como podemos tratar a foliculite?

O tratamento vai depender muito da causa: “Quadros extensos podem precisar de antibióticos orais, casos mais leves normalmente são tratados de forma tópica, com produtos com ação antiinflamatória e até antibióticos”, recomendou. Mas, sem dúvidas, o tratamento precoce traz melhores resultados para a sua pele. Sendo assim, procure um dermatologista o quanto antes assim que notar o problema!

*Os dermatologistas especialistas são consultados como fontes jornalísticas e não se utilizam deste espaço para a promoção de qualquer produto ou marca. Para saber qual é o tratamento ideal para a sua pele, consulte um dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

**Essa matéria foi atualizada no dia 23 de Julho de 2019 por Lívia D'Ambrosio