É comum vermos homens que praticam exercícios com estrias nos braços e no peitoral devido ao aumento de massa muscular muito acelerado. Além disso, o ganho rápido de peso e o crescimento repentino na adolescência também podem gerar o problema. O DermaClub conversou com a dermatologista Juliana Neiva, do Rio de janeiro, que explicou por que as marcas se desenvolvem, como minimizá-las e ainda alertou: “O mais importante para o tratamento é começar o quanto antes”. Confira a entrevista!

Entenda por que os homens costumam ter estrias nos braços

Segundo a médica, a estria que ocorre na região dos braços é mais comum em homens que malham ou fazem algum tipo de atividade física com o intuito de aumentar os músculos dessa área. “O que acontece é uma hipertrofia, que nada mais é que o aumento de massa muscular dos bíceps. Esse crescimento tenciona a fibra responsável pela elasticidade da região, provocando as lesões de estria”, esclareceu.

Dermatologista explica que não há diferença a estria feminina e a masculina

De acordo com a Dra. Juliana, o processo é o mesmo tanto para homens quanto para mulheres. “A estria é a ruptura da fibra elástica, que acontece quando ela é esticada além do que pode suportar. A pele estira tanto, que se rompe!”, explicou. Na fase inicial, essas marcas são avermelhadas ou arroxeadas e podem ser levemente elevadas. Enquanto as mais antigas são brancas e podem apresentar um leve enrugamento.

Saiba como minimizar o aspecto visual das estrias e tratar as já existentes

Para a dermatologista, o tratamento de estria deve começar o mais precoce possível, sempre com acompanhamento médico. “Uma maneira de prevenir é sempre deixar o corpo hidratado. Muitos homens ainda têm resistência em passar cremes. Então, uma boa alternativa é apostar em hidratantes específicos para o banho, que não deixam a pele pegajosa porque podem ser enxaguados”, recomendou a médica, que ainda indica um planejamento de ganho de massa muscular para que não ocorra de maneira abrupta e influencie no aspecto da pele.

Descubra quais são os tratamentos para cada tipo de estria

Os tratamentos para os diferentes tipos de estria são semelhantes e um dos processos em comum é o laser fracionado. Para estrias brancas, a função é melhorar a textura da pele e podem ainda ser feitos carboxiterapia e radiofrequência. Já para as vermelhas são indicados os infravermelhos, a luz intensa pulsada e o ácido retinoico. “As estrias mais recentes são mais fáceis de tratar, a cor indica que ainda há circulação sanguínea, o que não acontece com as brancas”, esclareceu.

*Os dermatologistas especialistas são consultados como fontes jornalísticas e não se utilizam deste espaço para a promoção de qualquer produto ou marca. Para saber qual é o tratamento ideal para a sua pele, consulte um dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia.