Na rotina de cuidados com a pele, é essencial combinar a realização de procedimentos no consultório dermatológico com o hábito de aplicar dermocosméticos em casa. Embora muitas pessoas busquem a praticidade, é importante frisar que existem rituais específicos que necessitam da ajuda de um especialista, para não colocar a pele do paciente em risco - como é o caso da limpeza de pele profunda. Será que essa técnica pode ser feita de forma caseira? O DermaClub entrevistou a dermatologista Flávia Ravelli, de São Paulo, para esclarecer a dúvida. Confira!

O que é a limpeza de pele profunda?

De acordo com a médica, a limpeza profunda é um procedimento que todo mundo deveria fazer com certa regularidade, dependendo de cada tipo de pele. “Nesse ritual, o dermatologista ou profissional de estética ajuda a tirar as impurezas acumuladas no rosto - seja pela maquiagem, poluição ou sujeira do dia a dia. Isso causa a produção de radicais livres, quando acumulados podem causar o envelhecimento da pele e a obstrução dos poros, e consequentemente o desenvolvimento da acne”, explicou.

Sendo assim, a limpeza da pele serve para prevenir a formação de cravos, diminuir o desencadeamento do processo inflamatório, prevenindo as lesões não inflamatórias e inflamatórias da acne; proporcionar uma ação higienizante da pele e ainda melhorar a circulação, além de remover as células mortas. “Essa técnica também facilita a penetração de ativos de dermocosméticos, potencializando os tratamentos”, ressaltou.

Já conhece o clube de vantagens DermaClub? Com ele, você terá muito mais motivos para cuidar da sua pele. Acesse o link, cadastre-se no programa e aproveite os benefícios!

Esse procedimento pode ser feito em casa?

Segundo a dermatologista, a limpeza de pele profunda, por questões de segurança, não pode ser realizada em casa. Ela precisa ser feita em um ambiente especializado, com um profissional capacitado para diminuir os riscos, pois é um procedimento que pode causar danos à pele. “Ocasionalmente nós temos que extrair um milium ou um comedão - que necessita de ferramentas mais elaboradas. Então, se você não usar os instrumentos certos e bem esterilizados, pode causar uma infecção na pele, cicatrizes e até manchas”, atentou.

Como a limpeza profunda é realizada?

A Dra. Flávia explica o passo a passo de como é feito o procedimento no consultório:

1) O primeiro passo é usar um produto de limpeza desengordurante para remover a oleosidade e limpar a pele;

2) Depois, o profissional faz uma esfoliação para retirar as células mortas;

3) Em seguida é utilizado um emoliente, para abrir os poros para facilitar a remoção dos cravos;

4) Hora de extrair os cravos! O ritual pode ser feito manualmente com um algodão ou uma gaze de forma bem delicada e com uma solução antisséptica. “Em alguns lugares os médicos usam uma espécie de sugador e existem certos tipos de lesões que devem ser removidos com uma pequena agulha”;

5) Depois da extração, é usado um aparelho de alta frequência para cicatrizar a pele;

6) A limpeza é finalizada com uma máscara que, dependendo do seu tipo de pele, pode ter efeito calmante, cicatrizante, clareador ou antioleosidade.

A médica ressalta outros cuidados extras: “Antes da pessoa ir embora, usamos um protetor solar e um hidratante para proteger a pele e o paciente pode continuar essas medidas em casa”, disse.

Quantas vezes precisamos fazer esse tratamento?

A frequência ideal da limpeza profunda acaba variando de pele para pele. “Então, para peles que têm uma quantidade demasiada de cravos, é necessário fazer todo mês, pois além do tratamento é preciso remover manualmente as lesões que vão se formando, a fim de que não evoluam para espinhas. Em outros casos, intervalos de 45 a 60 dias são suficientes para repetir esse ritual”, concluiu.

*Os dermatologistas especialistas são consultados como fontes jornalísticas e não se utilizam deste espaço para a promoção de qualquer produto ou marca. Para saber qual é o tratamento ideal para a sua pele, consulte um dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia.