Estudos comprovam que grande parte da população jovem brasileira tem pele oleosa com tendência à acne. O quadro pode e deve ser combatido, porém, muitas vezes, gera receio e dúvidas devido às opções de tratamento. “Uma das alternativas é a isotretinoína oral, que é segura e extremamente eficaz, mas exige acompanhamento e comprometimento, tanto do paciente quanto do médico”, afirmou a dermatologista Lilia Guadanhim, de São Paulo, que explicou mais detalhes sobre o uso do medicamento no combate à doença de pele. Confira!

Dermatologista explica como é a indicação do tratamento com a isotretinoína oral

De acordo com a especialista, essa terapia é indicada na presença de acne moderada a grave. “Não há um momento ou idade específicos para começar, mas a ideia de ‘o quanto antes melhor’ é consagrada. As consequências de um quadro não tratado incluem, além de cicatrizes, a baixa autoestima”, explicou.

Descubra quais são os riscos do medicamento para a saúde

Para a Dra. Lilia Guadanhim, a principal preocupação durante o uso do remédio é a gestação. E, por isso, é muito importante que as mulheres busquem combinar até dois métodos contraceptivos - como o anticoncepcional e a camisinha -, já que há risco de malformação do feto. “Outros eventos adversos incluem alterações de enzimas hepáticas do fígado e nos níveis de colesterol e triglicérides. Por essa razão, também é preciso realizar exames de sangue para acompanhar as taxas”, esclareceu.

A hidratação da pele é essencial durante o tratamento

“Os lábios são acometidos pela desidratação desde o primeiro dia e pioram de acordo com a dosagem do medicamento. É imprescindível que todos os pacientes usem hidratantes eficazes várias vezes ao dia. Minha dica são os dermocosméticos específicos para a pele oleosa, que irão hidratar sem aumentar a oleosidade e o brilho”, disse, afirmando que o ressecamento nasal e ocular também podem acontecer e devem ser tratados com produtos específicos para cada região.

Saiba quais são os procedimentos que devem ser evitados

Segundo a dermatologista, existem algumas questões que geram apreensão nos pacientes, mas que nem sempre são verdade. “É importante ter uma boa relação com o seu médico e tirar todas as dúvidas”, contou. Confira o que precisa ser evitado:

- Normalmente deve-se evitar o uso de ácidos e produtos potencialmente irritantes, já que a pele fica sensibilizada;

- O uso de isotretinoína oral não deve ser combinado com antibióticos do grupo das ciclinas - tetraciclina, limeciclina, doxiciclina e minociclina -, pois eles podem interagir com o remédio;

- Peelings químicos e outros procedimentos podem ser realizados desde que sejam indicados pelo seu médico dermatologista.

O tratamento pode provocar marcas?

Para a médica, muito mais que a terapia, a falta dela é o principal estimulante das marcas. Logo, quanto mais precoce é a intervenção, menor a chance de haver manchas. “O uso regular do protetor solar diminui o risco de cicatrizes. Além disso, os clareadores leves e não irritantes - como os que contêm phe-resorcinol - são muito úteis para evitar a hipercromia pós-inflamatória”, afirmou.

*Os dermatologistas especialistas são consultados como fontes jornalísticas e não se utilizam deste espaço para a promoção de qualquer produto ou marca. Para saber qual é o tratamento ideal para a sua pele, consulte um dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia.