Câncer da pele: vamos falar sobre o assunto? Ele é um dos tipos de câncer mais comuns que existe e, todos os anos, milhares de pessoas são diagnosticadas com a doença. Neste caso, a maior chance de cura é sempre o diagnóstico precoce, que pode ser obtido a partir do autoexame e de idas regulares ao dermatologista. Mas como essa análise deve ser feita e quais são os sinais que podem indicar a doença de pele? O DermaClub explicou o passo a passo para identificar o problema e tratar o quanto antes. Veja só!

Entenda melhor: o que é melanoma e como ele surge?

O melanoma é o tipo mais raro de câncer da pele, porém, também é considerado o mais grave de todos. Ele pode surgir do nada ou a partir de uma pinta ou sinal antigo e, assim, se transformar em um tumor. Além disso, o principal motivo para o desencadeamento desta lesão é, sem dúvidas, a radiação solar. Por outro lado, existem outros fatores estimulantes que influenciam na formação do câncer, como o histórico familiar, a poluição e, claro, o não uso do protetor solar.

Já conhece o clube de vantagens DermaClub? Com ele, você terá muito mais motivos para cuidar da sua pele. Acesse o link, cadastre-se no programa e aproveite os benefícios!

Autoexame: fique de olho em 5 sinais que indicam o câncer da pele

Essa doença de pele pode ser identificada no consultório junto com o dermatologista, com consultas regulares. Mas existe um método que o paciente pode fazer em casa que ajuda a identificar a lesão de câncer: o autoexame. A técnica se chama “ABCDE do melanoma” - significa que você deve ficar atento a estes 5 sinais de uma pinta suspeita:

1) Assimetria: observar se o formato da pinta é irregular.;

2) Bordas: as bordas da pinta são irregulares e difusas;

3) Cor: a pinta possui diversas cores como vermelho, marrom, branco, entre outras na mesma região;

4) Diâmetro: quando a pinta for maior que 5mm;

5) Evolução: se a pinta muda rapidamente de tamanho, forma, espessura ou cor

Além desses, é importante ficar atento a outros sintomas mais agravantes: se você passar a sentir dores na região, formação de casquinhas, sangramento e dificuldade de cicatrização, procure um dermatologista o quanto antes!

Use filtro solar + antioxidante e previna-se do câncer da pele!

Sabemos que o melanoma está diretamente ligado à tendência genética e à radiação UV. Por isso, é fundamental adotar uma rotina de cuidados com a pele bastante preventiva com o uso frequente do filtro solar com FPS 30, no mínimo, amplo espectro nas áreas expostas e também do antioxidante, que ajuda a potencializar essa proteção da pele.