A micose de pele é uma doença bastante comum, principalmente nas estações mais quentes e úmidas do ano. Ela pode surgir em várias partes do corpo, com sintomas que variam entre manchas vermelhas, brancas podendo ser acompanhada de coceira. Mas você sabia que essa doença de pele também pode aparecer no couro cabeludo? Para esclarecer como o problema ocorre na região do cabelo, o DermaClub conversou com a dermatologista Carolina Marçon, de São Paulo, que listou as causas, sinais, tratamentos e a prevenção desse tipo de micose. Veja só!

O que é a micose no couro cabeludo? Como surge essa doença de pele?

De acordo com a médica, a micose no couro cabeludo é uma doença de pele bastante rara em adultos, sendo mais comum em crianças, pois estas normalmente não possuem a imunidade completamente estabelecida, sendo mais suscetíveis a este tipo de micose”, explicou.

Já conhece o clube de vantagens DermaClub? Com ele, você terá muito mais motivos para cuidar da sua pele. Acesse o link, cadastre-se no programa e aproveite os benefícios!

Quais são os sintomas dessa micose nesta região?

- Coceira intensa na cabeça;
- Formação de lesões no couro cabeludo;
- Descamação por conta das lesões;

Se você percebeu alguns desses sinais na cabeça do seu filho, leve-o a um dermatologista.

O que pode ser feito para tratar esse tipo de micose?

Segundo a Dra. Carolina, o tratamento para esta doença é mais intenso do que a micose que ocorre na pele: “São usados alguns antifúngicos específicos que devem ser tomados por via oral e por um tempo mais prolongado do que o tratamento que fazemos nos demais tipos de fungos”, ressaltou.

Como podemos prevenir a micose no couro cabeludo?

Para evitar, é importante fazer a higiene periódica e correta do local, evitando banhos quentes, e evitando dormir com os cabelos úmidos. É importante também ficar de olho no couro cabeludo da criança “Geralmente, eles apresentam algumas lesões na pele do couro cabeludo, sendo necessário procurar um dermatologista.. A criança que está infectada deve ficar afastada de outras até a finalização do tratamento, para prevenir a contaminação pelo fungo”, concluiu.

Dermatologista:

Drª. Carolina Reato Marçon // CRM: 113.379

Dra. Carolina Marçon é fez sua especialização em Clínica Médica pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo e em Dermatologia pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. Possui título de Especialista em Dermatologia pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) e Associação Médica Brasileira (AMB). Especialização em Dermatoscopia e Oncologia Cutânea no Hospital AC Camargo. Membro Titular da American Academy of Dermatology (AAD). Membro Titular da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD). Coordenadora do Programa Pró-Albino - Santa Casa de Misericórdia de São Paulo/SBD.

*Os dermatologistas especialistas são consultados como fontes jornalísticas e não se utilizam deste espaço para a promoção de qualquer produto ou marca. Para saber qual é o tratamento ideal para a sua pele, consulte um dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia.