O primeiro passo para uma rotina de cuidados com o rosto é descobrir quais são as principais características da sua pele. Mas como é possível identificar esses aspectos e garantir a pele ideal? “Quando se fala sobre tipos de pele, devemos nos basear no equilíbrio entre a parte hídrica (água) e a oleosa (glândulas sebáceas). É preciso buscar sempre a igualdade em ambas as partes”, afirmou a dermatologista Vanessa Metz, do Rio de Janeiro. Descubra agora o seu tipo de pele!

Como são os tipos de pele: normal, oleosa, seca, mista e sensível

- Pele normal: apresenta um equilíbrio entre as funções hídrica e oleosa, poros fechados e regulares, garantindo viço e maciez ao visual. Como exemplo de pele normal temos a pele das crianças.

- Pele oleosa: tende ao excesso de produção de sebo, apresenta brilho intenso, alta umidade e sensação pegajosa. Os poros se apresentam abertos e com tamanhos irregulares. Muitas vezes é uma pele com tendência a acne. Geralmente, a pessoa com pele oleosa sente que, ao longo do dia, o brilho excessivo começa a incomodar e há necessidade de lavar, secar ou passar pó compacto no rosto todo.

- Pele seca: tem deficiência de sebo e consequentemente de água. Uma pele seca muitas vezes é também uma pele desidratada. Essa pele apresenta aspecto áspero e sem brilho. Além disso, tende ao ressecamento e craquela com facilidade.

- Pele mista: dependendo da área, pode apresentar características diferentes. Em geral, a zona T (testa, nariz e queixo) tende a oleosidade, enquanto o restante da face pode ser mais seca, com facilidade para descamação e irritação.

- Pele sensível: também é chamada de reativa, e não tem tanto a ver com deficiência hídrica ou sebácea, já que pode ser oleosa ou seca. É uma pele com pouca tolerância e com uma derme muito vacularizada e propensa a reagir quando está em contato com diversas substâncias.

A especialista informa que, para descobrir com certeza qual é o seu tipo de pele e começar os tratamentos corretos, o ideal é procurar um dermatologista, que vai fazer uma análise e indicar os dermocosméticos ideais para cada caso.

A importância de usar dermocosméticos adequados

Segundo a médica, o grande problema do auto-diagnóstico é o uso indevido dos produtos, que podem colaborar para a má qualidade da pele. “Por exemplo, se uma pessoa de pele mista, com tendência à oleosidade, escolher um protetor solar muito hidratante, é possível que ele confira muito brilho e cause até acne. Por isso, sempre que chegam novidades nas farmácias e perfumarias falo para as minhas pacientes me perguntarem antes se aquele item é ideal para elas. Assim, elas investem apenas nos produtos corretos e evitam problemas”, atentou.

*Os dermatologistas especialistas são consultados como fontes jornalísticas e não se utilizam deste espaço para a promoção de qualquer produto ou marca. Para saber qual é o tratamento ideal para a sua pele, consulte um dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia.