Durante o inverno, é normal observar algumas mudanças na pele, como ressecamento, vermelhidão e até aumento na oleosidade. Mas, será que a estação fria é a época mais recomendada para realizar tratamentos dermatológicos? O Dermaclub conversou com a dermatologista Luciana Kalache, de Curitiba, para entender os benefícios de fazer procedimentos, como peelings e uso de ácidos, no inverno. Confira!

Por que é recomendado fazer tratamentos dermatológicos durante o inverno

“Nas estações mais frias, as pessoas se expõem menos ao sol e a incidência da radiação UV também está menor, fazendo com que este seja o momento ideal para realizar procedimentos dermatológicos mais intensos”, explicou. Por isso, no inverno, são recomendados tratamentos como peelings, preenchimento, lasers, toxina botulínica, além da utilização de ácidos fortes. “Para os cuidados pós procedimentos, costumo indicar que se evite a exposição ao sol, a aplicação reforçada de filtro solar e o uso de produtos cicatrizantes e calmantes, que ajudam a revitalizar e hidratar a pele”, comentou.

Entenda por que a pele fica mais sensível durante o inverno

A dermatologista afirma que durante as estações mais frias há uma diminuição na umidade do ar e, por isso, a pele perde sua hidratação, favorecendo ressecamento, descamação, vermelhidão e coceira. “Devido às baixas temperaturas, é comum preferir banhos mais quentes e demorados, que são responsáveis por tornar o corpo seco e por deixar regiões como rosto e couro cabeludo mais oleosos”, disse.

Veja quais são os cuidados que devemos ter com a pele no inverno

De acordo com a médica, a hidratação da pele é o principal passo da rotina de cuidados no inverno. E, para evitar o ressecamento típico da estação, é fundamental escolher um produto específico para as suas necessidades, que deve ser indicado por um dermatologista. “O melhor horário para aplicar o dermocosmético é após o banho, porque é o momento em que a pele fica mais suscetível à absorção”, contou. Além disso, a Dra. Luciana recomenda o uso diário de protetor solar com FPS 30, no mínimo; optar por banhos mornos, já que a água quente ajuda a deixar a pele mais seca; e ingerir, ao menos, dois litros de água por dia.

*Os dermatologistas especialistas são consultados como fontes jornalísticas e não se utilizam deste espaço para a promoção de qualquer produto ou marca. Para saber qual é o tratamento ideal para a sua pele, consulte um dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia.