Com o passar dos anos, os sinais do envelhecimento cutâneo ficam mais evidentes. Uma das características principais é a flacidez, que consiste na perda de sustentação e é uma das principais queixas de homens e mulheres nos consultórios de dermatologia. Pensando nisso, o DermaClub conversou com a dermatologista Vanessa Metz, do Rio de Janeiro, que explicou como funciona e quais são os melhores métodos para minimizar o processo e manter a pele mais firme. Confira abaixo!

Como acontece a flacidez na pele?

De acordo com a médica, a flacidez é algo natural, que vem com o envelhecimento. “Ao longo do tempo, as fibras de colágeno - proteína responsável pela sustentação da pele - são degradadas a uma velocidade maior do que elas são produzidas. A partir dos 25 anos, já é possível notar a queda da produção, não só em relação à quantidade, mas também à qualidade. Assim, o resultado é uma cútis mais flácida e com estrutura comprometida”, explicou a médica.

Saiba como minimizar a flacidez na pele

A indústria dermocosmética oferece uma variedade de artifícios para minimizar a flacidez na pele. “Os preenchedores - principalmente os volumizadores - e ácidos estão aí para beneficiar a cútis e ‘subir’ o que caiu ao longo do tempo”, comentou. Para a médica, alguns dos ativos mais consagrados a respeito de flacidez são: peptídeos antienvelhecimento, dimetilaminoetanol (DMAE), entre outros.

Já no consultório, a radiofrequência é comprovada cientificamente, já que o calor ajuda na produção do nosso próprio colágeno, além de que a temperatura atingida contrai as fibras já existentes, minimizando a flacidez. “O laser funciona mais ou menos da mesma maneira, garantindo um efeito tensor”, afirmou.

Colágeno oral: funciona mesmo?

Segundo Dra. Vanessa, ainda não existem estudos que comprovem a eficácia do colágeno quando ingerido oralmente. “O que se sabe é que o colágeno não hidrolisado não é absorvido pelo organismo. Já o hidrolisado sim, mas ainda não foi revelado o quanto chega na nossa pele e se o que chega é capaz de estimular o corpo a produzir mais colágeno. Porém, como não afeta em nada à saúde, costuma-se prescrever”, concluiu.

*Os dermatologistas especialistas são consultados como fontes jornalísticas e não se utilizam deste espaço para a promoção de qualquer produto ou marca. Para saber qual é o tratamento ideal para a sua pele, consulte um dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia.