Como você costuma lavar o seu rosto? Normalmente a higiene é feita com sabonete, gel ou loção de limpeza, seguida por um tônico e caso você esteja de maquiagem é recomendado remover os produtos com demaquilante ou solução micelar antes do ritual. Mas você já ouviu falar no “oil cleansing”? Essa técnica, que utiliza óleos para limpar a pele, está dando o que falar! Será que esse método é mais eficaz que a higiene tradicional? Para esclarecer essa dúvida, o DermaClub conversou com a dermatologista Gabriella Albuquerque que explicou como funciona o "oil cleansing".

O que é o “oil cleansing”? Qual é a função desse método na pele?

Embora pareça ser uma prática um tanto duvidosa, principalmente para quem tem a pele oleosa, o “oil cleansing”, de fato, ajuda a higienizar a pele. Funciona da seguinte forma: os óleos naturais que usamos para limpar o rosto se juntam com aquele que é produzido pelas glândulas sebáceas, fazendo uma espécie de higiene “óleo por óleo”. Quando aplicamos o produto e massageamos a região a gordura boa presente nos produtos vai se ligar às ruins, removendo, assim, todas as impurezas da pele - até mesmo a maquiagem -, fazendo com que ela fique limpa, hidratada e nada oleosa!

Já conhece o clube de vantagens DermaClub? Com ele, você terá muito mais motivos para cuidar da sua pele. Acesse o link, cadastre-se no programa e aproveite os benefícios!

O “oil cleansing” pode ser feito na pele oleosa?

Pode sim! A Drª Gabriella esclarece porque não existe problema: “Apesar de acreditarem que a limpeza com óleos não deve ser feita em peles com tendência a acne, o “oil cleansing” consiste em limpar a pele com loções à base de óleo com o objetivo de remover a sujeira de maneira ainda mais eficaz”.

Posso substituir a limpeza com sabonete pelo "oil cleansing"?

Embora essa técnica seja muito eficiente, a especialista conta que não podemos substituir a limpeza tradicional pelo “oil cleansing”. “O óleo ajuda a remover a poluição e os restos de maquiagem da pele, mas o sabão ajuda a remover o excesso de secreção e bactérias nocivas à pele”. Um ritual pode até completar o outro, mas nunca substituir.

*Os dermatologistas especialistas são consultados como fontes jornalísticas e não se utilizam deste espaço para a promoção de qualquer produto ou marca. Para saber qual é o tratamento ideal para a sua pele, consulte um dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia.