A olheira é causa do desconforto de muitas mulheres que não abrem mão do corretivo antes de sair de casa. Seja com bolsas, coloração escura, flacidez, rugas ou sulcos, o problema, geralmente, confere aspecto cansado ao visual. De acordo com a dermatologista Juliana Jordão, de Curitiba, no Paraná, o ideal é sempre apostar em tratamentos eficazes, seja na clínica dermatológica ou em casa, para garantir um rosto mais luminoso. Confira abaixo a entrevista com a médica, que contou os motivos pelos quais as olheiras surgem, os diferentes tipos e como tratá-las.

Por que e como as olheiras surgem? Descubra os motivos

Engana-se quem pensa que só existe um tipo de olheira. Segundo Dra. Juliana, boa parte dos casos são de origem genética, porém, outros são resultado de fatores adquiridos ao longo da vida. “É muito comum pacientes cujos pais possuem olheiras desenvolverem alterações semelhantes com o passar dos anos”, afirmou. De acordo com a dermatologista, o problema pode ser dividido em alguns tipos: bolsas, pigmentadas, sulcos profundos, flacidez e rugas. Saiba mais sobre as particularidades de cada tipo abaixo.

Rugas, flacidez e bolsas: “Ao longo dos anos, é comum que a pele da pálpebra se torne flácida, evoluindo com rugas. Aliado a isto, ocorre na mesma fase a flacidez da musculatura da pálpebra. Assim, as bolsas de gordura - que em condições normais se posicionam sob o globo ocular -, perdem a sua sustentação e deslizam através da pálpebra, provocando as famosas bolsas.”

- Pigmentação extra: “Pacientes de pele morena ou ainda aqueles que possuam alergia respiratória severa costumam apresentar escurecimento da pele da pálpebra. Noites mal dormidas podem piorar este efeito.”

- Sulcos profundos: “O aspecto de olheiras fundas, em geral, é genético, mas pode surgir ou agravar com a redução de gordura da região malar, responsável pela sustentação do sulco lacrimal. O emagrecimento excessivo e insônia podem carregar ainda mais o visual.”

Saiba como cuidar de cada tipo de olheira

Apesar das diferenças entre os tipos de olheiras, Dra. Juliana afirma que alguns cuidados básicos podem ser usados por todos: “Com cremes antirrugas adequados, atrelados a produtos hidratantes, prevenimos o aspecto opaco e enrugado da pele”, comentou a médica. Confira abaixo as dicas específicas em cada caso:

- Cuidados para olheiras com rugas e flacidez: “Para resultados mais intensos, a aplicação de laser de CO2 ou peelings químicos renovam e estimulam o colágeno local, reduzindo consideravelmente as rugas e a flacidez.”

- Olheiras com bolsas: “O melhor tratamento é o cirúrgico. Vale lembrar que os procedimentos devem ser realizados por médicos dermatologistas”.

- Olheiras pigmentadas: “O uso de cremes para este tipo de pele auxilia no clareamento local de olheiras escuras. Para casos mais resistentes, fazemos aplicação de peeling químico, laser ou luz intensa pulsada. Manter o sono regular e realizar o tratamento da rinite alérgica ou qualquer outra causa de congestão nasal também previne a piora do escurecimento da região.”

- Olheiras com sulcos profundos: “O único tratamento é com preenchimento de ácido hialurônico realizado pelo médico dermatologista.”

Consulte o seu dermatologista e inicie já o seu tratamento para combater as olheiras!

*Os dermatologistas especialistas são consultados como fontes jornalísticas e não se utilizam deste espaço para a promoção de qualquer produto ou marca. Para saber qual é o tratamento ideal para a sua pele, consulte um dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia.