Sabemos que o filtro solar é um dermocosmético fundamental na rotina de cuidados com a pele. O produto deve ser usado todos os dias, reaplicado a cada três horas e reforçado, especialmente, no verão e em lugares de alta exposição, como a praia. Por outro lado, muitas pessoas ainda têm dúvidas se este dermocosmético é a única forma de proteção contra a radiação solar ou se existem outros métodos preventivos mais acessíveis, como, por exemplo, a pasta d’água - será que a substância também possui a mesma ação de um protetor? O DermaClub entrevistou a dermatologista Lilia Guadanhim, de São Paulo, que esclareceu a questão. Veja só!

O que é a pasta d’água?

De acordo com a médica, “a pasta d'água é uma preparação farmacêutica de uso externo composta por óxido de zinco, talco, glicerina, metilparabeno, carbonato de cálcio e água de cal”. Ela é muito conhecida por ajudar no tratamento de leves irritações na pele, assaduras, escoriações e até queimaduras solares. Mas será que essa substância é capaz de proteger a pele da radiação solar e prevenir o risco de problemas, como o câncer da pele, manchas escuras de melasma e insolação?

Já conhece o clube de vantagens DermaClub? Com ele, você terá muito mais motivos para cuidar da sua pele. Acesse o link, cadastre-se no programa e aproveite os benefícios!

Podemos substituir o filtro solar pela pasta d’água?

A Dra. Lilia explica que essa substituição não é recomendada: “Por conter óxido de zinco, a pasta d’água em teoria poderia funcionar como um protetor solar físico. No entanto, a cosmética é muito grossa e para ter efeito de proteção solar, o paciente teria que ficar com o rosto completamente branco e coberto por uma camada espessa de produto, o que inviabiliza completamente o uso”, garantiu.

Entenda os riscos de usar a pasta d’água no lugar do filtro solar

O risco principal é de queimadura solar! “Pacientes que aplicam pasta d’água como filtro solar acabam aplicando uma camada muito fina ou espalhando excessivamente o produto para evitar aquela camada branca na pele e a proteção solar fica muito pequena ou inexistente”, atentou. Além disso, pode haver o desenvolvimento de alergias, irritações pelos outros componentes da fórmula, sem falar do surgimento de lesões de espinhas pela cosmética do produto.

Portanto, não substitua o filtro solar por nenhum outro produto que dizem ter a mesma ação. Antes de incluir ou trocar qualquer dermocosmético da sua rotina de cuidados com a pele, fale com seu dermatologista!

*Os dermatologistas especialistas são consultados como fontes jornalísticas e não se utilizam deste espaço para a promoção de qualquer produto ou marca. Para saber qual é o tratamento ideal para a sua pele, consulte um dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia.