Você já se sentiu confusa ao chegar em uma farmácia e se deparar com diversos tipos de protetor solar? O produto, que é fundamental para manter a saúde da pele, está disponível em diversas texturas, que devem ser adequadas a cada tipo de pele. O DermaClub conversou com a dermatologista Daniela Pimentel, de São Paulo, que reiterou a importância do dermocosmético, além de explicar tudo sobre as 8 texturas diferentes do produto e como escolher o seu. Confira!

A importância do alto fator de proteção solar na rotina de beleza e saúde

Segundo o Consenso Brasileiro de Fotoproteção - elaborado por dermatologistas, físicos e meteorologistas que estudaram a localização geográfica e a radiação solar brasileira - ficou definido que o fator de proteção mínimo é o 30. “A cor da pele diz se o filtro precisa ser mais alto ou não. Quanto mais clara ela for, mais alto deve ser o FPS (Fator de Proteção Solar) do produto. Além disso, na hora de escolher o produto ideal, devemos levar em consideração se o paciente tem alguma doença relacionada à exposição ao sol, como melasma, rosácea, câncer de pele, entre outras”, explicou.

Já quando a pessoa não tem nenhuma ressalva e está apenas preocupada com os danos dos raios solares, principalmente prevenindo o envelhecimento precoce, a médica indica manter o padrão do FPS 30. “Deixo como opção para meus pacientes filtros mais altos em períodos de maior exposição”, recomendou.

Dicas de como escolher o protetor solar ideal

A escolha do produto ideal depende do tipo de pele. “Para as mistas e oleosas, optamos por veículos mais leves, como air gel, gel-creme ou serum. Já para peles mais secas, uma excelente alternativa é a versão em creme; enquanto as sensíveis podem investir em filtros físicos, que tendem a ser mais aceitos pela pele reativa”, indicou.

Conheça as 8 texturas diferentes de protetor solar:

- Air gel (aerogel): efeito blur (também conhecido como efeito photoshop), controle de oleosidade e sensação de pele limpa;
- Toque seco: deixa o rosto seco o dia todo, é oil free e tem rápida absorção;
- Fluido: textura líquida e de rápida absorção;
- Serum: similar ao fluido, porém mais translúcido penetrando de forma imperceptível na pele;
- Bruma: spray aerosol, que promove suavidade na pele e hidratação;
- Mousse: toque aveludado com efeito primer;
- Creme: opção hidratante e resistente;
- Alta cobertura: cobre as imperfeições da pele agindo como uma base de maquiagem, garantindo um visual natural.

Conheça a relevância do retoque do filtro solar

Segundo Dra. Daniela, o motivo principal da reaplicação do protetor é que ele costuma sair com facilidade. “Nós costumamos passar a mão no rosto e transpiramos. Com isso, diminuímos a eficácia dele”, comentou.

Pelo consenso, a quantidade ideal de produto é a medida de uma colher de chá para a face e pescoço, duas colheres para a parte anterior do tronco e abdômen, duas para a parte de trás, uma para cada braço e duas colheres para cada perna. “Só assim a cútis fica devidamente protegida. Lembrando que a reaplicação deve ser feita a cada duas horas e, em caso de exposição total, sempre após o banho de mar ou piscina”, atentou.

*Os dermatologistas especialistas são consultados como fontes jornalísticas e não se utilizam deste espaço para a promoção de qualquer produto ou marca. Para saber qual é o tratamento ideal para a sua pele, consulte um dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia.