Sua cabeça coça? Fique sabendo que este não é considerado apenas um sinal de caspa. Se você notar que a coceira está acompanhada por placas brancas e ressecamento, talvez você esteja com psoríase do couro cabeludo. Apesar de não haver cura, o problema precisa de tratamento, mesmo sem risco de contágio, para prevenir as lesões ou qualquer sinal de piora. Pensando nisso, o DermaClub entrevistou a dermatologista Tatiane Curi, de São Paulo, para explicar todos os cuidados que devemos ter com essa doença. Veja só!

Quais são as causas da psoríase no couro cabeludo?

Por ser uma doença crônica, a principal causa da psoríase é a predisposição genética - ou seja, se já é um problema bem comum na sua família, você também tem grandes chances de desenvolver. Além disso, ela pode ser agravada em casos de estresse, baixa imunidade e clima frio - já que o sol proporciona um efeito anti-inflamatório nas lesões.

Já conhece o clube de vantagens DermaClub? Com ele, você terá muito mais motivos para cuidar da sua pele. Acesse o link, cadastre-se no programa e aproveite os benefícios!

A Drª Tatiana explica melhor como a psoríase é definida: “A doença é caracterizada por placas brancas ou escamas aderidas ao couro cabeludo que podem se assemelhar a uma dermatite seborreica mais grave”, explica a médica. Além disso, o problema também pode ser acompanhado por inflamação, coceira e queda de cabelo, dependendo da gravidade.

Os sintomas da psoríase no couro cabeludo

Quem tem psoríase no couro cabeludo percebe os seguintes sintomas: “Descamação, que pode vir acompanhada de placas esbranquiçadas muito parecidas com a caspa. Essas escamas podem até se descolar da cabeça e cair na roupa, dando um aspecto estético ruim ao paciente. Geralmente, esses sinais vêm associados a coceira e áreas vermelhas que podem provocar um aumento da queda do cabelo”, atentou.

Qual é o melhor tratamento para a psoríase?

Existe um leque de opções para tratar a psoríase no couro cabeludo. Os cuidados vão desde o uso de shampoos anti-inflamatórios e com ativos queratolíticos - que ajudam na descamação e na quebra das placas -, substâncias derivadas do coaltar, loções tópicas com corticosteróides e alguns tipos de ácidos. “Além disso, existem medicamentos orais que podem ser utilizados caso a psoríase seja mais grave e resistente aos tratamentos tópicos. Atualmente até medicamentos imunobiológicos injetáveis podem ser utilizados em casos mais raros”, diz a médica.

Outro cuidado que pode ajudar muito a aliviar a sensibilidade e o ressecamento do couro cabeludo é o uso de um creme de limpeza capilar. O produto possui ativos que limpam e acalmam a região, reduzindo a coceira e o desconforto logo na primeira aplicação.

4 cuidados para se ter com a psoríase no couro cabeludo no dia a dia:

1) Lavar a cabeça com shampoos apropriados e indicados pelo dermatologista para cada paciente;

2) Preferir banhos frios ou mornos e rápidos no inverno;

3) Evitar acessórios que abafam essa região, como chapéus, bonés, gorros e capacetes por longos períodos;

4) Manter hábitos de vida saudáveis, visando a manutenção da imunidade e a baixa do estresse.

*Os dermatologistas especialistas são consultados como fontes jornalísticas e não se utilizam deste espaço para a promoção de qualquer produto ou marca. Para saber qual é o tratamento ideal para a sua pele, consulte um dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia.