Você já parou para pensar que as crianças também precisam de proteção solar e que existe uma maneira correta de aplicar o filtro no bebê? O DermaClub conversou com a dermatologista Flávia Ravelli, de São Paulo, que afirmou que o uso do dermocosmético deve começar a partir dos seis meses, sendo necessário fazer uma dupla aplicação para garantir maior proteção contra os raios solares.

Bebês x proteção solar: cuidados necessários

De acordo com a médica, o indicado é que o bebê não tenha exposição direta ao sol até os seis meses de idade, principalmente, nos horários de maior intensidade da radiação solar - entre 10h e 16h. Já depois de seis meses, o bebê deve usar filtro solar, chapéu com aba larga e roupas com proteção UV. “Assim, o dermocosmético pode ser passado apenas nas áreas expostas, já que a roupinha protege o resto do corpo. Lembre-se também que, sempre que possível, a criança também deve ficar na sombra”, contou.

Veja qual produto específico é recomendado para usar em bebês

A Dra. Flávia afirma que existem produtos específicos para a proteção solar das crianças, que são desenvolvidos com substâncias mais suaves. “Geralmente, os mais indicados são os protetores com mais filtros físicos, já que eles refletem a radiação UVA e UVB e causam menos alergias à pele sensível das crianças. Além disso, ele precisa ser à prova d’água”, explicou.

Qual é a forma correta de aplicar protetor solar em bebês

Segundo a dermatologista, a forma de uso do filtro em crianças é similar com a de um adulto. Deve-se aplicar o produto uniformemente, 20 minutos antes da exposição ao sol. “Depois da primeira camada, passe uma segunda para intensificar ainda mais a proteção”, recomendou. “Os pais do bebê também precisam ficar atentos com a reaplicação a cada duas horas ou sempre que a criança se molhar por mais tempo”, disse.

*Os dermatologistas especialistas são consultados como fontes jornalísticas e não se utilizam deste espaço para a promoção de qualquer produto ou marca. Para saber qual é o tratamento ideal para a sua pele, consulte um dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia.