O ácido hialurônico é uma substância muito importante na nossa pele. Essa molécula ajuda a reter água na camada mais profunda da pele, a derme, que auxilia na hidratação natural do corpo. Com o tempo, nosso organismo acaba perdendo esse ingrediente, deixando a região com rugas, flacidez, olheiras, entre outros sintomas do envelhecimento precoce. Pensando nisso, o DermaClub conversou com a dermatologista Gabriella Albuquerque, do Rio de Janeiro, para esclarecer o que acontece quando não repomos ácido hialurônico e a melhor maneira de devolver a substância para a pele.

O que acontece com a nossa pele quando não repomos o ácido hialurônico?

Segundo a médica, a perda do ácido hialurônico promove a perda na capacidade de reter água e a pele fica sem brilho e opaca. “Com o tempo, vai perdendo a elasticidade e criando os sinais do envelhecimento precoce, como a flacidez, as rugas (pés de galinha e o bigode chinês) e as olheiras, que acontecem devido a falta de firmeza na pele”, esclareceu.

Já conhece o clube de vantagens DermaClub? Com ele, você terá muito mais motivos para cuidar da sua pele. Acesse o link, cadastre-se no programa e aproveite os benefícios!

De que maneira podemos repôr o ácido hialurônico na pele?

A Drª Gabriella explica que o ácido hialurônico pode ser reposto de diversas maneiras na pele: “A substância pode ser reposta através do uso de dermocosméticos. Além disso, atualmente já se fala na reposição oral de ácido hialurônico, mas os dermatologistas ainda não indicam essa técnica. Porém, o modo mais rápido é através do uso do ingrediente de forma injetável”, garantiu. Para isto, a profissional orienta procurar um dermatologista com experiência no assunto para que haja uma aplicação rápida, pouco dolorosa, e com bom resultado estético.

*Os dermatologistas especialistas são consultados como fontes jornalísticas e não se utilizam deste espaço para a promoção de qualquer produto ou marca. Para saber qual é o tratamento ideal para a sua pele, consulte um dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia.