Com o passar dos anos, a pele, como qualquer outro órgão do corpo humano, sofre alterações em sua estrutura. O envelhecimento é inevitável, porém, é possível manter a pele bonita e hidratada, minimizando os efeitos do tempo. O DermaClub conversou com o dermatologista Alan Ost, da cidade de São Paulo, que contou como a pele envelhece, baseado nas 3 fases de amadurecimento cutâneo, e como deve ser o cuidado em cada uma delas. Confira!

Entenda as 3 fases do envelhecimento da pele

Segundo o médico, as funções fisiológicas normais da pele podem diminuir em até 50% até a meia-idade, dependendo da genética e do estilo de vida. O envelhecimento está associado a diversos processos da pele e pode ser dividido em 3 fases:

1) Linhas de expressão e perda de luminosidade: nesta fase, a produção de colágeno - responsável pela firmeza e sustentação da pele - diminui e passa a ser insuficiente. Devido a essa nova flacidez, surgem as primeiras linhas finas e rugas de expressão. Podem aparecer, ainda, irregularidades no tom e no relevo da pele;

2) Rugas profundas e início da perda de firmeza: durante esse período, as fibras de preenchimento da pele se renovam de forma inadequada. O colágeno e a elastina se desgastam mais intensamente e, devido a maior flacidez, as rugas se tornam profundas;

3) Perda de densidade e do contorno facial: na pele madura, o metabolismo das células é reduzido e a produção de colágeno cai ainda mais. Devido a isso é possível perceber o relaxamento cutâneo, perda de densidade, alteração do contorno e ressecamento da pele.

Descubra quais são as principais causas do envelhecimento

De acordo com o especialista, o envelhecimento cutâneo se dá através da ação conjunta de fatores endógenos e exógenos. As influências variam desde a ação dos raios ultravioleta emitidos pelo sol até a ação hormonal que se altera com o passar dos anos. Confira as principais causas:

- Ação dos músculos faciais: se expressar muitas vezes exige movimentos e trejeitos, dessa forma os músculos promovem a formação das linhas de expressão;

- Declínio hormonal: acontece após a menopausa, alterando os níveis de estrogênio no organismo, assim, a elasticidade e espessura da pele diminuem;

- Renovação celular: o ciclo de renovação da pele acontece constantemente, mas com o passar dos anos também é reduzido, tornando a pele mais opaca e as linhas de expressão mais aparentes;

- Glicação: é quando moléculas de açúcar se fixam em fibras de colágeno e elastina, essa ação afeta a elasticidade da pele e promove o aparecimento de rugas;

- Oxidação: desencadeada, principalmente, devido a estresse e poluição, gerando radicais livres que se unem às células saudáveis comprometendo o seu DNA, isso faz com que a regeneração seja cada vez mais lenta;

- Inflamação cutânea: é uma inflamação gerada por agentes internos e externos imperceptível a olho nu, como resposta, o organismo libera substâncias que minimizam essas inflamações. Estas, por sua vez, provocam maior degradação das fibras de colágeno e elastina.

Saiba quais são os cuidados ideais para peles maduras

Para o dermatologista, é importante manter uma rotina de tratamentos indicados pelo seu médico, que seja adequado ao seu tipo de pele. “Além da hidratação é indicado o uso de produtos anti-idade que contenham antioxidantes, anti-inflamatórios, esfoliantes, minerais, cremes percursores de colágeno - como a vitamina C -, firmadores ou tensores”, concluiu.

*Os dermatologistas especialistas são consultados como fontes jornalísticas e não se utilizam deste espaço para a promoção de qualquer produto ou marca. Para saber qual é o tratamento ideal para a sua pele, consulte um dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia.