Na hora de cuidar dos cabelos, grande parte das mulheres procura por produtos de qualidade e que atendam às necessidades específicas do fio. Mas você já percebeu que no rótulo da maioria dos shampoos está presente o sulfato e que, de acordo com especialistas, essa substância, quando em excesso, pode ser maléfica para as madeixas? Pensando nisso, o DermaClub conversou com a dermatologista Flávia Ravelli, de São Paulo, que contou tudo sobre como o ingrediente age no cabelo. Confira!

Você sabe como o sulfato age nos cabelos?

De acordo com a médica, o sulfato é introduzido nas formulações de shampoos para agir como um detergente, ou seja, promover espuma e limpar profundamente. Assim, a substância se liga nas partículas de sujeira presentes nos fios, sendo eliminadas com o enxágue. No entanto, grandes quantidades de sulfato podem danificar o cabelo, pois alteram o pH da fibra, deixando-o ressecado e frágil. Dessa forma, as madeixas podem ficar sem resistência, quebrar, perder o brilho e a cor com mais facilidade.

Existe diferença entre um shampoo com sulfato e o shampoo sem sulfato?

“Em geral, shampoos sem sulfato produzem menos espuma e promovem uma limpeza mais suave, além de manter a hidratação, evitando o ressecamento. Já os produtos com a substância fazem mais espuma, limpam de forma efetiva, porém, em alguns casos, ressecam o cabelo e podem levar os fios mais delicados à quebra”, explicou.

Descubra quais são os benefícios do shampoo sem sulfato para o couro cabeludo

A dermatologista conta que esse tipo de shampoo limpa sem agredir. “É uma excelente opção para madeixas que passaram por processos químicos, como coloração, descoloração e alisamentos, já que não há nenhuma agressão durante a higienização”, contou. Assim, os fios se mantêm hidratados, o frizz é minimizado e o couro cabeludo - que depois desses procedimentos costuma estar mais sensível - é poupado.

*Os dermatologistas especialistas são consultados como fontes jornalísticas e não se utilizam deste espaço para a promoção de qualquer produto ou marca. Para saber qual é o tratamento ideal para a sua pele, consulte um dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia.