Desde pequenos sabemos que o desodorante é essencial na rotina de beleza. O produto faz parte do pós-banho sem que nos demos conta de que é um ato embelezador e também um cuidado com a saúde da pele. Para solucionar as dúvidas sobre o tema, DermaClub convidou a dermatologista Daniela Pimentel, de São Paulo, que explicou sobre as características da axila, ensinou como escolher o desodorante ideal e ainda comentou sobre escurecimento, sudorese e sensibilidade na área. Confira!

Peles sensíveis: saiba quais são os cuidados ideais com as axilas

De acordo com a dermatologista, não existe um tipo de pele de axila, como acontece no rosto e corpo. “A área tem particularidades, principalmente quando se trata de sensibilidade. Alguns pacientes tendem a ser mais alérgicos e desenvolvem irritação a alguns tipos de desodorantes. Então, receitamos produtos específicos, com alto nível de tolerância e agentes calmantes”, comentou.

Como tratar o escurecimento da axila?

Uma das principais queixas nos consultórios dermatológicos é o escurecimento da região, que, segundo a médica, não tem relação com os cosméticos usados. “O desodorante em si não colabora para nenhum problema. Ele só favorecerá o escurecimento caso a pessoa tenha alergia, gerando coceira e vermelhidão que pode acarretar em hipercromia, que é a maior quantidade de pigmentos na pele devido à inflamação”, disse. Segundo a dra. Daniela, o ideal para clarear a região é investir na depilação a laser e deixar de lado lâminas e ceras, que provocam um processo inflamatório contínuo.

Suor: melhores tratamentos para minimizar a sudorese

A hiper-hidrose é o excesso de glândulas sudoríparas, que pode aparecer de duas formas: primária, quando a pessoa não tem nenhuma outra doença; ou secundária, relacionada a outros fatores sistêmicos. “Por isso, o primeiro passo é o dialogo com o paciente e exames que possam mostrar distúrbios hormonais ou alteração na tireóide, por exemplo”, afirmou.

No caso das axilas, o mercado de beleza oferece diversos itens que podem ajudar. “Opte por um desodorante que tenha maior porcentagens de princípios ativos que diminuem a sudorese, como os derivados de alumínio”, recomentou. Caso não seja suficiente, a dermatologista acredita que o seu médico pode ter duas recomendações: a aplicação da toxina butolínica, que tem uma resposta superinteressante nestes casos, ou por meio de lasers.

Odor excessivo é sinal de alerta; descubra como tratar

Você sabia que o mau cheiro nas axilas tem nome? Chama-se bromidrose e pode ser considerada como contaminação de bactérias e/ou fungos. “O paciente precisa usar sabonetes específicos que sejam anticépticos, além de cremes com princípios ativos de antibióticos e antifúngicos. Em relação ao desodorante, pode-se escolher qualquer um, de acordo preferência do paciente”, comentou.

*Os dermatologistas especialistas são consultados como fontes jornalísticas e não se utilizam deste espaço para a promoção de qualquer produto ou marca. Para saber qual é o tratamento ideal para a sua pele, consulte um dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia.