Muitas mulheres são apaixonadas por acessórios: brincos, colares, pulseiras, anéis, relógios… Todos fazem a diferença quando o assunto é montar um look bonito. Porém, muitas têm alergia e não conseguem usar determinado material. Por isso, o DermaClub conversou com a dermatologista Tatiana Matos, da cidade de Salvador, na Bahia, que explicou por que algumas pessoas não conseguem usar esses adereços, quais as opções de tratamento e alternativas na hora de complementar a produção. Confira!

Entenda por que algumas pessoas não conseguem usar bijuterias

Segundo a médica, uma das substâncias que mais causam alergias, principalmente nas mulheres, é o níquel. “O metal está presente em todas as peças de bijuterias, e muitas vezes também é encontrado, em pequenas quantidades, em algumas joias”, esclareceu, alertando que os pacientes que possuem alergia ao níquel manifestam quadro de coceira, podendo progredir para placas avermelhadas, além da formação de crostas e descamação. “Todas essas características conferem aspecto áspero, ressecado e podem provocar escurecimento da região afetada”, disse.

Descubra como é feito o tratamento desse tipo de alergia

De acordo com a dermatologista, a principal medida, que deve ser imediata, é suspender o contato da pele com peças que contenham níquel. “É preciso, também, hidratar bastante a região. Nas fases de crise podem ser usados cremes à base de corticoide, que acalmem a pele ou reparem a barreira cutânea. Além disso, água termal e compressas com água fria são importantes para aliviar os sintomas”, explicou.

Dermatologista indica alternativas para quem possui alergia ao níquel

Para a especialista, o ideal para quem tem alergia ao níquel é não usar bijuterias. “É importante que os acessórios sejam livres de qualquer concentração da substância. Por isso, dê preferência à joias com prata e ouro. Além disso, é preciso manter a pele bem hidratada”, concluiu, acrescentando uma dica importante: “Nunca permaneça tempo demais com o mesmo acessório, e caso apresente coceira no local de contato procure seu dermatologista para ser examinado”, pontuou.

*Os dermatologistas especialistas são consultados como fontes jornalísticas e não se utilizam deste espaço para a promoção de qualquer produto ou marca. Para saber qual é o tratamento ideal para a sua pele, consulte um dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia.