Main content

Estrias vermelhas: dermatologista fala causas e como tratar

Descubra as causas e tratamentos para estrias vermelhas neste guia informativo.
28 out 2015

A estria é um problema de ordem estética muito comum nas mulheres e em menor grau em homens devido a ação dos hormônios que depositam a gordura corporal em lugares diferentes. Entretanto, sua presença afeta em ambos os sexos a autoimagem e também a autoestima. As estrias vermelhas, em específico, são uma preocupação comum para muitos, mas entender suas causas e como tratá-las pode ser um grande passo para cuidar melhor da sua pele.

Para te auxiliar com isso, o Dermaclub conversou com a dermatologista Lilian Ota, de São Paulo, que explicou o que são as marcas, como minimizar o aspecto visual e como evitá-las. Acompanhe as dicas da especialista e deixe sua pele ainda mais bonita!

O que são estrias?

As estrias são uma condição comum da pele que muitas pessoas experimentam em algum momento de suas vidas. Elas são caracterizadas como lesões lineares, enrugadas e atróficas que aparecem na pele após um estiramento exagerado. 

Segundo a dermatologista, "estrias ocorrem devido a quebra e alteração das fibras elásticas e de colágeno". Essas fibras são componentes essenciais da nossa pele, fornecendo elasticidade e resistência. Quando a pele é esticada além do seu limite normal, essas fibras podem se romper, resultando na formação de estrias.


O que causa a estria vermelha?

A médica esclarece que existem várias causas principais para o surgimento de estrias. Estas incluem "obesidade, gravidez, estirão de crescimento em adolescentes, hipertrofia dos músculos - no caso de quem pratica musculação - e algumas doenças, como a Síndrome de Cushing, e tratamentos prolongados à base de corticosteróides". Portanto, qualquer coisa que cause um rápido aumento ou diminuição do tamanho do corpo pode potencialmente levar ao desenvolvimento de estrias, mas vamos entender melhor cada uma dessas causas a seguir:

  • Obesidade: O ganho rápido de peso associado à obesidade pode esticar a pele além de sua capacidade de se adaptar. Isso pode levar à ruptura das fibras elásticas e de colágeno na derme, resultando em estrias.
  • Gravidez: Durante a gravidez, o corpo da mulher passa por mudanças rápidas e significativas. A pele do abdômen se estica para acomodar o crescimento do bebê, o que pode levar ao desenvolvimento de estrias vermelhas.
  • Estirão de crescimento em adolescentes: Na puberdade, os adolescentes podem experimentar períodos de crescimento rápido. Esses "estirões" podem esticar a pele, especialmente nas coxas, quadris, seios e nádegas, levando ao aparecimento de estrias.
  • Hipertrofia dos músculos: Aqueles que praticam musculação intensiva podem desenvolver estrias devido ao rápido crescimento muscular. Quando os músculos crescem mais rápido do que a pele pode se adaptar, estrias vermelhas podem se formar.
  • Síndrome de Cushing: Esta é uma condição médica em que o corpo produz excesso de cortisol, um hormônio que pode enfraquecer as fibras elásticas na pele e aumentar a probabilidade de desenvolver estrias.
  • Tratamentos prolongados à base de corticosteróides: O uso prolongado de medicamentos corticosteroides, seja por via oral ou aplicação tópica, pode diminuir a quantidade de colágeno na pele. Isso pode tornar a pele menos elástica e mais propensa a estrias.

O que são estrias vermelhas?

As estrias chamadas de "vermelhas" têm esse nome porque, no estágio inicial de qualquer estria, ou seja, quando ela aparece na pele, os vasos sanguíneos são visíveis através da pele danificada, dando-lhes uma cor vermelha ou roxa. Com o tempo, à medida que a pele cura, as estrias podem desbotar para uma cor branca ou prateada.

Quais as diferenças das estrias vermelhas e brancas?

As estrias vermelhas e brancas são essencialmente a mesma condição, mas em diferentes estágios de desenvolvimento. A principal diferença entre elas é a idade e a cor.

As estrias vermelhas são novas e estão no estágio inicial. Elas têm uma cor vermelha ou roxa porque os vasos sanguíneos são visíveis através da pele danificada, conforme citamos anteriormente. Neste estágio, as estrias podem ser levemente elevadas, coçar e ser dolorosas. É também nesta fase que as estrias são mais responsivas ao tratamento, pois a pele ainda está passando pelo processo de cicatrização.

As estrias brancas são estrias que já passaram pelo processo de cicatrização. Com o tempo, as estrias vermelhas desbotam para uma cor branca ou prateada, tornando-se menos visíveis. Essas estrias são geralmente planas e indolores. No entanto, elas são mais difíceis de tratar do que as estrias vermelhas, pois a pele já completou o processo de cicatrização.

Quanto tempo dura a estria vermelha?

O tempo que uma estria permanece vermelha geralmente pode durar de 6 a 12 meses. Este é o período em que a pele está passando pelo processo de cicatrização. Mas o tempo exato pode variar dependendo de vários fatores, incluindo a genética individual, a saúde geral da pele e o cuidado com a pele.

Após esse período, as estrias começam geralmente a desbotar e mudar de cor. Elas podem se tornar rosadas, marrons, brancas ou prateadas, dependendo do tom de pele individual. É importante notar que, embora a cor possa mudar, a textura da estria permanecerá a mesma.

O que piora estrias vermelhas?

Embora as estrias vermelhas sejam uma ocorrência comum e muitas vezes inevitável, existem certos fatores que podem agravar sua aparência ou aumentar a probabilidade de seu desenvolvimento. Compreender esses fatores pode ajudar a informar suas decisões sobre cuidados com a pele e estilo de vida, e minimizar potencialmente o aparecimento de estrias vermelhas. Vamos explorar alguns desses fatores em detalhes:

  • Ganho de peso rápido: Ganhar peso rapidamente pode esticar a pele além de sua capacidade de se adaptar, levando ao desenvolvimento de estrias vermelhas.
  • Gravidez: A rápida expansão da pele durante a gravidez, especialmente no terceiro trimestre, pode resultar em estrias.
  • Crescimento rápido durante a puberdade: Durante a puberdade, o corpo passa por várias mudanças rápidas que podem levar ao aparecimento de estrias vermelhas.
  • Treinamento físico intenso: A hipertrofia muscular rápida, como a observada em fisiculturistas ou atletas, pode esticar a pele e causar estrias vermelhas.
  • Fatores genéticos: Algumas pessoas têm uma predisposição genética para desenvolver estrias. Se seus pais ou irmãos têm estrias, é mais provável que você também as tenha.
  • Desidratação da pele: A pele seca tem menos elasticidade, tornando-a mais propensa a estrias. Manter a pele hidratada pode ajudar a prevenir estrias.

Porém, é importante lembrar que presença de um ou mais desses fatores não garante que você desenvolverá estrias. É sempre melhor conversar com um dermatologista se você está preocupado com o desenvolvimento de estrias.

É possível eliminar estrias vermelhas?

Embora seja difícil eliminar completamente as estrias uma vez que elas se formaram, é possível reduzir significativamente sua aparência. As estrias vermelhas, sendo mais novas, são geralmente mais responsivas ao tratamento do que as estrias brancas. Existem várias opções de tratamento disponíveis, que vão desde cremes e loções tópicas até procedimentos dermatológicos mais avançados. 

Como tratar as estrias vermelhas?

O tratamento mais eficaz para as estrias vermelhas é começar o mais cedo possível, quando ainda estão vermelhas ou roxas. Existem várias abordagens para o tratamento de estrias vermelhas, desde cuidados diários com a pele até procedimentos dermatológicos.

Os retinoides tópicos, por exemplo, podem ser eficazes na redução da aparência das estrias ao estimular a produção de colágeno.

Procedimentos dermatológicos, para estrias mais severas ou persistentes, como microdermoabrasão, terapia a laser e luz pulsada intensa (IPL) também podem melhorar a aparência das estrias ao promover a renovação da pele e a produção de colágeno.

Além disso, manter a pele hidratada é essencial quando se trata de minimizar a aparência das estrias. Produtos como o Creme Hidratante CeraVe que contém ceramidas e ácido hialurônico, podem ajudar a manter a pele hidratada e promover a elasticidade da pele.

Creme Hidratante CeraVe para evitar estrias vermelhas na pele

Como evitar o aparecimento de estrias no corpo?

Para evitar o aparecimento de novas lesões, a dermato aconselha que o melhor é evitar o que é popularmente chamado por efeito sanfona. “É possível preservar o corpo de novas estrias evitando engordar e emagrecer exageradamente. Para conquistar uma pele sem marcas é preciso manter uma dieta balanceada, beber bastante água e praticar atividade física sem exageros”, acrescentou.

Como minimizar o aspecto das estrias?

Para a dermatologista, a estria é caracterizada como lesão de caráter estético e sem gravidade, porém, sem cura. “Uma vez formada ela não desaparece completamente com nenhum tratamento, o que existem são formas de atenuá-las. O ácido retinoico e seus derivados são as melhores opções de tratamento tópico, mas é importante lembrar que a pele deve ser adequadamente hidratada”, explicou.

Além disso, hidratação e ativos à base de rosa mosqueta também são bastante utilizados. Quando a procura é por tratamentos em consultório, Dra. Lilian indica os peelings químicos com ácidos, dermoabrasão, laser e a subcisão.

*Os dermatologistas especialistas são consultados como fontes jornalísticas e não se utilizam deste espaço para a promoção de qualquer produto ou marca. Para saber qual é o tratamento ideal para a sua pele, consulte um dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Banner do clube de vantagens Dermaclub

Publicada em: 28 de Outubro de 2015
Modificada em: 12 de Abril de 2024

 

Image
 

palavra do dermatologista

DRA. LILIAN AKEMI OTA
CRM: 66202

Médica com título de especialista em dermatologia pela Sociedade Brasileira de Dermatologia, formada pela USP com residência médica pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. É membro efetivo da Sociedade Brasileira de Dermatologia, da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica e da American Academy of Dermatology. Atua nas áreas de dermatologia clínica de adultos e crianças, cosmiatria e cirurgia dermatológica.
 
 
 

palavra do dermatologista

Image

DRA. LILIAN AKEMI OTA
CRM: 66202

Médica com título de especialista em dermatologia pela Sociedade Brasileira de Dermatologia, formada pela USP com residência médica pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP. É membro efetivo da Sociedade Brasileira de Dermatologia, da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica e da American Academy of Dermatology. Atua nas áreas de dermatologia clínica de adultos e crianças, cosmiatria e cirurgia dermatológica.
 
Orientation message
For the best experience, please turn your device